O buraco na camada de ozônio se ampliou em 2021, cortesia de um inverno estranhamente rigoroso no hemisfério Sul e também por consequências do avanço do aquecimento global, de acordo com um novo vídeo divulgado pela Nasa.

De acordo com o vídeo, o buraco teve seu 13º maior índice de crescimento desde 1979, com a dispersão de ozônio sendo monitorada pelos satélites Aura, Suomi-NPP e NOAA-20, operados pela agência espacial americana em conjunto com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) dos EUA.

publicidade

Leia também

Imagem mostra vídeo divulgado pela Nasa sobre a camada de ozônio
A animação divulgada pela Nasa mostra um aumento da camada de ozônio na região ártica: segundo a agência, não fossem as políticas globais de proteção ambiental, ele poderia ser bem maior (Imagem: Nasa/Divulgação)

O ozônio, para quem não sabe, é um gás que ocorre de forma natural e se forma nas camadas mais altas da atmosfera da Terra. Produzido tanto pela natureza como pelo homem, o gás é responsável, entre outras coisas, por filtrar os nocivos raios ultravioleta (UV) emitidos pelo Sol, que podem nos causar câncer de pele, entre outros problemas.

O gás forma um “escudo” ao redor do planeta, que tem um buraco. Ou melhor, um conjunto de buracos, que se abrem, se fecham e se abrem de novo conforme variações climáticas da Terra – e o aquecimento global – alteram a dispersão de gases do efeito estufa, aumentando a nossa temperatura média global.

Em outras palavras, essa falha é a razão pela qual você vem aplicando protetores solares cada vez mais fortes quando vai à praia.

Muito desses buracos são causados pela atividade humana – o uso de elementos como cloro e bromo em diversas ações contribuem para que o buraco aumente nas regiões polares, e quando o Sol nasce e banha o Ártico com a sua luz, a região recebe os raios UV praticamente sem nenhum filtro.

Políticas globais estipuladas no passado – como o Protocolo de Montreal em 1987, pela ONU – ajudaram a minimizar o dano que nós causamos na camada de ozônio, algo que a Nasa reconhece ter ajudado bastante: “esse buraco é bem grande por causa das condições estratosféricas mais frias que vimos em 2021. Mas sem o Protocolo de Montreal, ele seria bem maior”, disse Paul Newman, Chefe de Ciências da Terra no Centro de Vôo Goddard da Nasa, em um comunicado.

Em termos práticos, o buraco chegou, neste ano, a mais ou menos o tamanho da América do Norte – continente esse que engloba México, EUA e Canadá, e se estende por aproximadamente 25 milhões de quilômetros quadrados (km²). Sem os protocolos ambientais instalados, a Nasa estima que o tamanho seria de 1,5 milhão de km² maior.

Felizmente, as políticas de redução de uso e emissões de gases nocivos parecem estar surtindo um efeito positivo. De acordo com diversos cientistas, é possível que, nesse ritmo, a camada de ozônio se recupere por completo entre 2060 e 2070.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!