A Rivian, uma das rivais da Tesla especializada em carros elétricos, efetuou recentemente o seu IPO (oferta pública inicial, ocasião em que as ações de uma empresa são vendidas na bolsa pela primeira vez), fixando o preço de US$ 78 por ação.

Apesar do valor acima do esperado, quando as 153 milhões de ações começaram a ser negociadas nesta quarta-feira (10) na Nasdaq, esse preço simplesmente “explodiu”. No fim do dia, o valor dos papéis da Rivian já valiam US$ 100,73, o que representa um salto de 29%. 

publicidade

Considerando o número de ações em circulação, esse cenário resulta em uma capitalização de US$ 85,9 bilhões (cerca de R$ 467,5 bilhões na cotação atual), o que coloca a Rivian em pé de igualdade com gigantes do mercado de automóveis como a GM, por exemplo, avaliada em US$ 86 bilhões. Quem ficou para trás, foi ninguém menos que a Ford, que vale atualmente US$ 77,4 bilhões — como comparativo, a Tesla é a montadora mais valiosa do mercado, com valor estimado em mais de R$ 1 trilhão.

Logotipo da empresa Rivian Automotive exibido na tela de um smartphone
Após IPO, a Rivian está em pé de igualdade com outras gigantes do mercado automotivo em valor de mercado. Imagem: IgorGolovniov/Shutterstock

A companhia já conseguiu levantar US$ 11,9 bilhões abrindo o capital (antes de contabilizar comissões, descontos e outras despesas), o que torna o seu IPO o sétimo maior do mercado. Dentre os principais investidores da empresa, estão nomes como a Amazon, com participação de 20%, e, curiosamente, a própria Ford.

Ambas firmaram acordos com a marca para o desenvolvimento de veículos. A Amazon, inclusive, contratou a Rivian para construir 100 mil vans de entrega elétricas e espera ter a frota operacional até 2030. Já a Ford, pretende usar a mesma plataforma da Rivian para desenvolver um novo veículo elétrico ainda não especificado.

Leia mais:

No fim, o resultado é uma boa notícia para a montadora, que já havia declarado que estava gastando muito à medida que se preparava para começar a produção do seu primeiro veículo, o R1T. As perdas no primeiro semestre de 2021, por exemplo, foram de US$ 994 milhões — quase o total que a empresa perdeu ao longo de todo o ano passado.

A maioria dos custos, segundo a marca, estão associados a P&D (processo de Pesquisa e Desenvolvimento), algo que deve continuar nos próximos anos à medida que a companhia expande sua capacidade de produção. Além dos Estados Unidos, outra meta para o futuro é expandir a operação para a Europa Ocidental antes de desembarcar na Ásia.

Via: Motor Authority, Tech Crunch

Créditos da imagem principal: Miro Vrlik Photography/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!