Nesta segunda-feira (15), a tripulação a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) passou por algumas horas de turbulência e certo desconforto. Isso porque um alerta do Controle da Missão determinou que os sete astronautas que residem e trabalham atualmente no posto orbital se mantivessem fechados em suas naves de retorno, em razão da passagem de destroços de lixo espacial nas proximidades.

Tripulação da ISS precisou ser deslocada para suas respectivas naves de retorno para aguardar a passagem de detritos espaciais nas proximidades. Imagem: Oleg Novitsky / Roscosmos

De acordo com o site Space, as passagens dos detritos começaram pela manhã e aconteciam em intervalos de 90 minutos ou mais. 

publicidade

“Obrigado por um dia louco, mas bem coordenado, nós realmente apreciamos toda a consciência situacional que vocês nos deram”, disse o astronauta da Nasa Mark Vande Hei à equipe de Controle da Missão da Nasa, algumas horas depois do final da operação, que aconteceu por volta das 9h30 EST (11h30h pelo horário de Brasília). “Foi certamente uma ótima maneira de nos unirmos como equipe, começando nosso primeiro dia de trabalho no espaço”.

Embora Vande Hai já esteja na ISS desde abril, ele se referia ao primeiro dia com os novos membros, a tripulação da SpaceX Crew-3, recém-chegada ao laboratório espacial.

“Esperamos um dia mais calmo amanhã”, disse ele. O Controle da Missão orientou os membros da tripulação a continuarem fechando as escotilhas para os módulos fora do núcleo da ISS na terça-feira (16), pois ainda estão previstos mais destroços passando por ali.

O astronauta da Nasa Mark Vande Hei, que está na ISS desde abril, agradeceu ao Comando da Missão pelas orientações dadas nesta manhã (15). Imagem: NASA

Procedimento padrão

Segundo o especialista em detritos espaciais Jonathan McDowell, do Centro de Astrofísica de Harvard, o primeiro encontro entre a ISS e os detritos espaciais ocorreu às 2h06 EST (4h06, pelo horário de Brasília) e durou cerca de 10 minutos.

“Os detalhes são vagos”, twittou o jornalista espacial William Harwood, da CBS News, “mas a tripulação de sete membros da ISS se refugiou em suas naves Soyuz MS-19 e Crew Dragon Endurance hoje cedo como precaução, devido a um próximo passo previsto para (ou por meio de) uma ‘nuvem de detritos’ resultante da separação de um satélite”.

É procedimento padrão para os astronautas ISS se amontoarem em seus veículos em caso de qualquer tipo de emergência, quando precisam evacuar a estação espacial.

Leia mais:

Rússia explodiu um satélite, formando perigosa nuvem de lixo espacial

Embora os EUA não tenham declarado publicamente o que criou o campo de destroços que preocupa a ISS, o governo federal confirmou que a Rússia disparou um míssil de teste antissatélite que gerou destroços e pode ameaçar o laboratório espacial e outras espaçonaves em órbita.

“Hoje, a Federação Russa conduziu de forma imprudente um teste destrutivo de satélite com um míssil de ascensão direta contra um de seus próprios satélites”, disse o porta-voz do Departamento de Estado americano, Ned Price, durante uma entrevista coletiva. 

“Este teste aumentará significativamente o risco para astronautas e cosmonautas na ISS, bem como para outras atividades de voos espaciais humanos”, completou Price.

Ele observou que o teste antissatélite criou mais de 1,5 mil fragmentos orbitais grandes o suficiente para serem rastreados, além de “centenas de milhares de fragmentos orbitais menores”.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!