Na noite de segunda-feira (15), o administrador da Nasa, Bill Nelson, se manifestou a respeito da enxurrada de lixo espacial que fez com que o Controle de Missão da Estação Espacial Internacional (ISS) orientasse os astronautas a buscar abrigo em suas naves de retorno por algumas horas da manhã.

Administrador da Nasa, Bill Nelson, culpa teste antissatélite russo por detritos espaciais que tumultuaram o dia na ISS. Imagem: Gary Daines – NASA

Por meio do porta-voz do Departamento de Estado americano, Ned Price, o governo dos EUA revelou na tarde de ontem que a Rússia havia conduzido um teste antissatélite que gerou muitos detritos espaciais, atitude considerada “imprudente”, nas palavras de Price. 

publicidade

“Este teste aumentará significativamente o risco para astronautas e cosmonautas na ISS, bem como para outras atividades de voos espaciais humanos”, completou Price.

A Nasa, por sua vez, ainda não havia responsabilizado, oficialmente, a ação russa pelo ocorrido com os astronautas da ISS. Mais tarde, no entanto, Nelson foi taxativo, mostrando-se bastante irritado com o fato.

“Hoje cedo, devido aos destroços gerados pelo destrutivo teste Antissatélite Russo (ASAT), os astronautas e cosmonautas da ISS realizaram procedimentos de emergência para segurança”, disse Nelson em um comunicado da agência espacial norte-americana. “Estou indignado com esta ação irresponsável e desestabilizadora. Com sua longa e célebre história em voos espaciais humanos, é impensável que a Rússia ponha em perigo não apenas os astronautas americanos e internacionais parceiros da ISS, mas também seus próprios cosmonautas”.

Leia mais:

Lixo espacial supostamente provocado pela Rússia também colocou taikonautas em risco 

Nelson não parou por aí, responsabilizando a Rússia também por colocar em risco a segurança de astronautas fora da ISS. “Suas ações são imprudentes e perigosas, ameaçando também a estação espacial chinesa e os taikonautas a bordo”.

Além das sete pessoas que vivem e trabalham atualmente na ISSl – dois cosmonautas russos, três astronautas da Nasa, um da Agência Espacial Europeia (ESA) e um da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA) – há três tripulantes a bordo da Estação Espacial Tiangong.  

De acordo com Price, o teste antissatélite criou mais de 1,5 mil fragmentos espaciais rastreáveis ​​e centenas de milhares de fragmentos menores e indetectáveis ​​em órbita baixa da Terra.

Segundo o site Space, esses destroços não só ameaçam a segurança das tripulações das estações espaciais (a internacional e a chinesa), mas também podem danificar ou destruir satélites na órbita da Terra no caso de uma colisão – o que aumentaria ainda mais a quantidade de lixo espacial que os satélites e outras missões espaciais precisarão evitar no futuro.

“Todas as nações têm a responsabilidade de prevenir a criação intencional de detritos espaciais de ASATs e de promover um ambiente espacial seguro e sustentável”, completou Nelson, garantindo que “a Nasa continuará monitorando os destroços nos próximos dias e além para garantir a segurança da tripulação em órbita”.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!