Especialistas na área do sono estão alertando sobre uma nova tática de marketing: injetar anúncios nos sonhos do público. Um trio de pesquisadores de Harvard, MIT e da Universidade de Montreal publicou um ensaio sobre “hackeamento” de sonhos no Aeon alertando que, de acordo com uma pesquisa, 77%  dos profissionais de marketing planejam usar esta tecnologia nos próximos três anos.

“Vários estudos de marketing estão testando abertamente novas maneiras de alterar e conduzir o comportamento de compra durante o sono e o hackeamento dos sonhos. O uso comercial com fins lucrativos da incubação de sonhos – a apresentação de estímulos antes ou durante o sono para afetar o conteúdo dos sonhos – está rapidamente se tornando realidade”, escreveu a equipe

publicidade

Dois dos autores trabalharam anteriormente em um dispositivo do MIT projetado para se comunicar com voluntários adormecidos e até mesmo “hackear” seus sonhos. Segundo eles, foi especialmente preocupante uma campanha publicitária da Molson Coors antes do Super Bowl de 2021, que prometia cerveja grátis em troca da participação em um estudo de “incubação de sonhos” envolvendo um vídeo com latas de cerveja dançando e peixes falantes, além da estrela pop Zayn Malik . 

Isso foi chamado por Coors de “incubação de sonhos direcionada”, um termo cunhado por dois dos três em um artigo de 2020, que significa que os anunciantes estão de fato de olho no trabalho acadêmico sobre hackear sonhos.

Leia mais:

Todos os três escreveram uma carta aberta que criticou anunciantes que tentavam hackear sonhos. Quarenta cientistas assinaram o documento. Os redatores também argumentaram que a Federal Trade Commission, que regula a publicidade nos Estados Unidos, deveria atualizar as regras contra mensagens subliminares em publicidade para proibir a incubação de sonhos. 

De acordo com os cientistas, embora a incubação de sonhos tenha usos práticos, é apenas uma questão de tempo para que as empresas que fazem relógios, wearables, aplicativos e outras tecnologias que monitoram o sono comecem a vender esses dados para obter lucro ou usem essas ferramentas para influenciar os sonhos.

Ademais, eles referiram um estudo que descobriu que a mistura de odores desagradáveis ​​com fumaça de cigarro enquanto os fumantes dormiam diariamente reduzia seu hábito de fumar no dia seguinte, por exemplo.

“O anúncio dos sonhos da Coors não era apenas uma campanha de marketing curiosa, foi um sinal de que o que antes era matéria de ficção científica pode rapidamente se tornar nossa realidade ”, alertaram os pesquisadores.

Fonte: Futurism

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal.