Nesta semana, nos EUA, é comemorado o Dia de Ação de Graças, uma data que não é tão popular no Brasil. Por aqui, essa comemoração é restrita a escolas de língua inglesa e famílias de origem americana. Mas, em uma coisa, esse dia se assemelha muito com uma de nossas tradições: o prato principal é o peru, o mesmo que a maioria das famílias brasileiras costuma comer no Natal.

Nos EUA, o peru é um prato típico do Dia de Ação de Graças, que é comemorado na última quinta-feira de novembro. Aqui no Brasil, o hábito de consumir essa carne é mais presente no Natal. Imagem: Karen Grigoryan – Shutterstock

Existe uma crença de que, além de saborosa, a carne de peru é um alimento bastante saudável. Será mesmo? “Sim, é verdade”, revelou Catherine M. Champagne, professora de epidemiologia nutricional e avaliação dietética e nutricional do Centro de Pesquisa Biomédica Pennington, da Universidade do Estado da Louisiana, nos EUA. “Mas essa bênção vem com algumas ressalvas”, alerta.

publicidade

Segundo Catherine, o peru é uma boa fonte dos minerais magnésio e fósforo, além de fornecer ferro, potássio e zinco. Sua carne também é rica em selênio, que é benéfico ao sistema imunológico.

De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA, uma porção de 85 gramas de peito de peru assado com pele vem com cerca de 4,5 gramas de gordura e 139 calorias. A mesma porção da carne sem a pele contém apenas cerca de 1,8 gramas de gordura e 125 calorias.

Outra coisa que influencia, segundo Catherine, é a escolha dos temperos e marinadas – sendo importante checar o nível de sódio dos condimentos. 

Leia mais:

Dê preferência a alimentos assados

No entanto, nada é mais perigoso para a saúde do que a forma de preparo. E aí, vem aquela já clássica recomendação: prefira alimentos assados aos fritos. O consumo regular de alimentos fritos tem sido associado a problemas cardiovasculares

Segundo Catherine, a maior parte do óleo de um peru frito acaba sendo absorvido pela pele. “Portanto, você pode evitar a gordura e as calorias extras não comendo a pele”, ressalta.

“O ponto crítico é fritar bem o peru, mantendo a temperatura correta de cozimento durante o processo de fritura”, disse ela em entrevista ao site HealthDay. “Use gorduras saudáveis, como óleo de amendoim ou canola, e não deixe o peru mergulhar no óleo após o cozimento”.

Consumo de carne de peru processada não é recomendável

Os fãs de linguiça de peru, bacon de peru e outras variedades processadas precisam verificar os rótulos. “Geralmente, todos os produtos de carne processada, incluindo peru, levam uma quantidade significativa de sódio”, disse ela. O consumo elevado de sódio contribui para a hipertensão e o risco de eventos cardiovasculares. 

Especialistas recomendam que o consumo de formas processadas da carne de peru seja feito com cautela. Imagem: Adao – Shutterstock

A Associação Americana do Coração (AHA) recomenda não mais do que 2,3 gramas por dia e um limite ideal de não mais do que 1,5 gramas mg diárias para a maioria dos adultos. No entanto, a AHA aconselha que uma dieta saudável para o coração dá preferência à escolha de cortes magros de carne e aves em vez de formas processadas.

O peru também é famoso por ser uma fonte do aminoácido essencial triptofano, que ajuda o corpo a sintetizar proteínas. Por outro lado, ele costuma levar a culpa pela sonolência pós-festiva que algumas pessoas sentem – o que a nutricionista diz ser uma acusação injusta.

“Peru assado sem pele tem níveis de triptofano próximos aos de rosbife ou atum enlatado e menos por grama do que o queijo cheddar”, explicou Catherine. “É mais provável que as grandes quantidades de carboidratos na refeição forneçam a maior contribuição para a sonolência”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal.