Por enquanto, é mais uma carta de intenções: a Embraer e o Centro Aeroespacial Real da Holanda (Koninklijk Nederlands Lucht- en Ruimtevaartcentrum) firmaram um memorando de entendimento, no qual afirmam que devem firmar uma parceria na pesquisa e desenvolvimento de tecnologias novas.

O centro, apesar do nome, não é parte forças armadas ou do governo da Holanda, mas uma entidade sem fins lucrativos com 25% de financiamento estatal. O “Real” foi um título honorífico que o centro recebeu ao celebrar 100 anos.

publicidade

Entre as possibilidades citadas, estão o desenvolvimentos da família E-Jet, os aviões de passageiro de porte médio comuns nos aeroportos do Brasil e também o transporte militar C-390 Millenium, ambos hits internacionais.

As empresas mencionam sua parceria histórica em materiais novos, software, testes de túnel de vento e, talvez o mais crucial, o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis. Se aviões elétricos podem trazer de volta a hélice para voos de menor alcance (uma das especialidades da Embraer) um dos maiores desafios da aviação é justamente encontrar substitutos para combustíveis fósseis em grandes jatos.

Embraer: parceria lá fora, tem revés em casa

Jackson Schneider, CEO da Embraer Defesa & Segurança, afirmou: “A Embraer e a NLR têm uma longa história de colaboração, com cada parte contribuindo com expertise específica necessária para conduzir pesquisas e desenvolvimentos complexos a serem aplicados em tecnologias avançadas e produtos inovadores. Este memorando é mais um passo importante em nosso relacionamento de longo prazo na Holanda e reitera o compromisso em fortalecer ainda mais nossa parceria com a NLR em um dinâmico ecossistema aeroespacial”.

“De fato, a Embraer e a Royal NLR têm um longo relacionamento e estamos felizes em fortalecer e prolongar ainda mais esta relação por meio deste memorando”, afirma disse Michel Peters, CEO do Centro Aerospacial. “Essa parceria é uma oportunidade para ambas as partes trabalharem em desafios compartilhados, identificarem interesses comuns e desenvolverem abordagens e métodos inovadores para endereçar questões da aviação global. O aumento da cooperação entre a Embraer e a Royal NLR é bem-vindo, e estou ansioso para ver benefícios mútuos”,

A Embraer recentemente teve um revés em casa com o cancelamento parcial da compra de modelos do C-390 pela FAB. A expectativa era, naturalmente, vender bem em casa e a Embraer entrou com uma ação legal contra os militares brasileiros.

Leia mais:

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!