A Epic Games vai aumentar o seu catálogo com a inclusão do serviço de jogos por streaming Anstream Arcade – que dá acesso aos usuários de jogos retrô por meio de uma assinatura fixa.

De acordo com a Epic Games, o catálogo do Anstream Arcade já está disponível para usuários dos Estados Unidos e inclui títulos clássicos como Pac-Man, Space Invaders, Earthworm Jim e Mortal Kombat gratuitamente via streaming.

publicidade

Além disso, a biblioteca da Anstream conta com mais de 1.200 títulos, incluindo produções de estúdios como Disney, Warner Games, Bandai Namco, Atari, Taito etc. O anúncio da chegada do serviço à plataforma acontece na mesma semana em que a Atari anunciou que investiu US$ 500 mil no Anstream Arcade. De acordo com a empresa, este investimento pode aumentar para até US$ 3,5 milhões no futuro. Apesar do anúncio, não há previsão para a chegada do serviço em outros mercados como o Brasil.

Leia mais:

Epic Games aumentar catálogo com parceria de outras empresas

Aparentemente, uma das estratégias da Epic Games é se tornar uma plataforma que abrigará cada vez mais títulos de outras produtoras em seu catálogo. Além dos jogos disponíveis em sua loja e do Fortnite – game que é dona – recentemente a empresa também incluiu títulos da Riot no seu catálogo, como League of Legends, Legends of Runeterra e Valorant, além de ports exclusivos do Playstation 4 para os PCs.

Além disso, recentemente a empresa declarou que irá aceitar jogos com tecnologias baseadas em Blockchain, NFTs e criptomoedas. A mudança curiosamente ocorre pouco após a rival Steam alterar as regras para proibir esse tipo de game.

A decisão também chama a atenção por contradizer declarações anteriores do executivo, nas quais afirmou “não tocar” em NFTs pelo excesso de golpes que envolvem a tecnologia. Agora, segundo ele, apesar de ter dito isso no final de setembro, as “boas-vindas” a títulos do tipo tem como objetivo oferecer liberdade de escolha aos desenvolvedores de games, assim como consumidores do serviço.

Os jogos com tecnologia Blockchain, porém, terão que “seguir as leis relevantes, ser transparentes com seus termos e ter uma classificação etária para um grupo apropriado”, nas palavras de Sweeney. O CEO explicou também que não será possível utilizar o método de pagamento da Epic Games Store para comercializar criptomoedas – ou seja, os desenvolvedores terão que criar os próprios métodos.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!