Além do adiamento de uma atividade extraveicular que estava programada para acontecer nesta terça-feira (30) na Estação Espacial Internacional (ISS), o grande volume de detritos trafegando na órbita da Terra também gerou consequências ao Starlink, o serviço de internet rápida da SpaceX. Segundo Elon Musk, fundador e CEO da empresa, a órbita de alguns satélites da constelação precisou ser alterada.

“Tivemos que mudar algumas órbitas de satélites Starlink para reduzir a probabilidade de colisão”, escreveu Musk no Twitter. “Não é ótimo, mas também não é terrível”, ponderou o empresário.

A declaração foi em resposta a um questionamento feito pelo consultor de investimentos Ross Gerber, CEO da financeira americana GK ETF. Gerber compartilhou a notícia do adiamento da caminhada espacial e perguntou a Musk se isso representa algum problema.

Elon Musk. Imagem: Win McNamee/Shuttestock
Elon Musk revelou, via Twitter, providências tomadas pela SpaceX em relação ao lixo espacial que trafega na órbita da Terra. No entanto, o empresário não se manifestou sobre a responsabilidade da Rússia sobre o caso. Imagem: Win McNamee/Shuttestock

Leia mais:

Trajes espaciais não têm capacidade de absorção de impacto em ultravelocidade, explica Musk

No mesmo tweet, o bilionário explicou que, embora tanto a ISS quanto a cápsula Dragon tenham escudos de proteção contra micrometeoroides, os trajes EVA usados pelos astronautas nas caminhadas não contam com essa capacidade de absorção de impacto em velocidade ultra-alta. Assim, caso fossem atingidos por algum detrito no espaço, isso seria extremamente perigoso. 

Na imagem abaixo, feita pelo astronauta da Agência Espacial Europeia (ESA) Tim Peake, é possível ver uma rachadura circular de 7 mm de diâmetro formada pelo impacto de um minúsculo pedaço de lixo espacial na “Cupola” da ISS, uma janela de sílica fundida e vidro de borossilicato com blindagem quádrupla.

Rachadura provocada por impacto com detrito espacial. Imagem: Tim Peake/ESA

De acordo com Peake, o detrito responsável pelo estrago, possivelmente, foi um floco de tinta ou um pequeno fragmento de metal não maior do que alguns milésimos de milímetro de diâmetro. Se tivesse atingido um astronauta, mesmo sendo algo tão minúsculo, certamente perfuraria seu traje e poderia matá-lo.

Lixo espacial foi gerado por teste antissatélite russo

Todo esse tumulto teve início em meados do mês passado, quando um teste militar executado pelo governo russo disparou um míssil contra um satélite soviético desativado, gerando mais de 1,5 mil destroços no espaço e ampliando o já crítico problema do lixo espacial.

Elon Musk, que ainda não havia comentado sobre o episódio, não estabeleceu qualquer relação entre os detritos por ele mencionados e o teste antissatélite executado pela Rússia.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!