Medicina e Saúde

Pesquisa aponta que dormir entre às 22h e 23h pode prevenir doenças cardiovasculares

Por Matheus Barros, editado por André Lucena
05/12/21 11h25, atualizada em 05/12/21 11h27
Mulher deitada dormindo

Imagem: ruigsantos/shutterstock

Um estudo publicado no jornal científico European Heart Journal aponta que pessoas que vão dormir entre às 22h e 23h possuem menos chances de desenvolverem doenças cardiovasculares. A pesquisa afirma ainda que pessoas que vão dormir mais tarde que este horário estão mais propensas a enfrentar problemas como infarto, insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral (AVC).  

O risco para as doenças cardiovasculares está ligado ao contato com a luz da manhã, que é conhecida por “reiniciar” o relógio biológico. No entanto, os responsáveis pelo estudo reforçam que ainda é necessário aprofundar a pesquisa para avaliar possíveis variáveis.  

Os pesquisadores analisaram o hábito do sono de mais de 88 mil voluntários durante sete dias. Os participantes tiveram os horários do início do sono e do despertar avaliados, além de terem seus movimentos durante a noite acompanhados por um acelerômetro.  

Leia também!

Durante quase seis anos de pesquisa, foi possível constatar que 3,6% dos participantes desenvolveram doenças cardiovasculares e a maior incidência estava naqueles dormiam próximo ou depois da meia-noite, enquanto a menor estava nos que dormiam entre às 22h e 22h59.  

De acordo com o estudo, indivíduos que dormem próximo ou depois das 0h possuem um risco 25% maior de desenvolver doenças cardiovasculares, enquanto os que pegam no sono antes das 22h possuem um risco 24% maior, já aqueles que iam para cama entre às 23h e 23h59 registraram um risco 12% maior.  

Os pesquisadores ainda relataram que os maiores índices de risco foram encontrados em mulheres, provavelmente por uma diferença no sistema endócrino que responde a uma interrupção no ritmo circadiano de maneira diferente.  

Pesquisa aponta que dormir entre às 22h e 23h pode prevenir doenças cardiovasculares. Créditos: Shutterstock

A neurologista pesquisadora do Instituto do Dono, Dalva Poyares, afirmou que dormir entre 22h e 23h pode estar ligado com uma maior regularidade do sono, enquanto os que dormem mais cedo ou mais tarde perdem certos hábitos.  

“Esse desalinhamento de comportamentos, bem como a variabilidade nos horários de dormir e acordar, aumentam a inflamação no organismo, e podem prejudicar a regulação da glicose. O que pode também contribuir para o risco de doenças cardiovasculares”, explica.  

Poyares ainda ressalta que os pesquisadores não levaram em questão problemas genéticos, que podem ser os maiores causadores de doenças cardiovasculares.  

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Deixe sua opinião
Tags