Após confirmar que os primeiros testes de uso do Real Digital serão conduzidos em 2022, o Banco Central (BC) — que sugere que o pico da inflação deve melhorar no ano que vem — declarou nesta terça-feira (7) que pretende disponibilizar a moeda digital nacional para uma parte dos brasileiros em 2023.

Segundo a Folha, de início, o BC avaliará as soluções apresentadas pelo mercado e também os casos de uso para o ‘CBDC’ (sigla para Central Bank Digital Currency, moedas digitais emitidas por bancos centrais). 

publicidade

Com a validação dos resultados em mãos, em 2023  serão feitos testes mais amplos, inclusive, contando com a participação da população.

Sobre como a iniciativa vai funcionar, Rodrigoh Henriques, especialista da FENASBAC (Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central), comentou: “A pessoa poderá ter especificado em sua conta o dinheiro eletrônico, que é esse que já temos hoje no banco, e a moeda digital. A diferença é que algumas transações só poderão ser viabilizadas por meio do dinheiro virtual (Real Digital)”.

Leia mais:

O BC reforçou que “qualquer projeto é bem-vindo”. As empresas têm até o dia 10 de janeiro, cerca de um mês, para apresentar possíveis casos de uso para o Real Digital. As propostas escolhidas serão anunciadas em março e os primeiros testes internos, por sua vez, começam em julho do ano que vem. 

Segundo o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, o projeto visa adequar o sistema financeiro brasileiro para acompanhar o futuro da economia e da evolução tecnológica.

“A iniciativa do Real Digital é uma resposta ao rápido progresso de transformação digital e à demanda da sociedade por meios nativos de liquidação em um novo ambiente”, afirmou.

Por fim, Campos Neto espera que o Real Digital funcione principalmente em duas frentes: o mercado de câmbio entre moedas e como uma solução extra para transações com ativos digitais.

Imagem principal: Jo Galvao/Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!