Estive na sede da Claro para conhecer a rede 5G SA (standalone) da empresa, e fiquei muito bem impressionando com o que vi. Nos testes, cheguei a uma velocidade máxima de 1,7 Gbps, mas se tivesse ficado mais tempo por lá, acredito que poderia ter superado esse valor.

A visita foi feita a convite da Motorola, para testar a conectividade 5G do Moto G200, lançado hoje pela empresa. Além do Moto G200, levei o iPhone 13 (outro aparelho que estou avaliando) para testar também, mas apesar de ser compatível, ele ainda não funciona com nenhuma rede 5G SA no Brasil, só em redes 5G NSA. A Apple ainda vai liberar uma atualização para o aparelho se conecte com redes SA.

publicidade
Testes do 5G standalone da Claro com o Moto G200
Testes do 5G standalone da Claro com o Moto G200 / Foto: Nick Ellis

Desde a recepção do prédio, o aparelho já estava conectado na rede 5G, com uma velocidade bem alta, quase 1 Gbps. Ao chegar na área de testes, a velocidade aumentou muito. Na foto acima, cheguei a 1,5 Gbps, mas nos testes, a velocidade foi ainda mais rápida.

Vale destacar que o transmissor ficava na sala ao lado da que fiz os testes, a qual não tivemos acesso. De qualquer forma, quanto mais próximo eu fiquei da parede, mais rápida a conexão, assim acredito que a velocidade seria ainda maior se eu tivesse na própria sala.

5G standalone supera e muito o 5G DSS

A rede 5G SA da Claro usa a faixa de frequência de 3,5 GHz, arrematada pela empresa no leilão do 5G no mês passado por R$ 338 milhões (lote B1, o mais cobiçado).

O 5G standalone, que também é conhecido como 5G puro, tem uma velocidade muito superior a do 5G DSS, que a empresa trouxe de forma pioneira para o Brasil no ano passado. Nós também testamos aqui a rede 5G DSS da Claro, mas não existe uma comparação possível entre elas.

Com o 5G SA, além de velocidades de download e upload bem mais altas, também oferece uma latência muito baixa, com uma resposta muito mais rápida da rede.

Aproveitando a visita, também conversei com Fabio Maeda da Claro sobre a diferença entre 5G SA e NSA (non-standalone), velocidades de download, a importância de uma latência baixa e as aplicações da tecnologia 5G, confira abaixo.

Leia mais:

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!