O Big Brother Brasil (BBB) completa 20 anos em 2022 como o reality show de maior sucesso da TV brasileira. Com mais de 320 ex-participantes até hoje, não é estranho que tenhamos ex-BBBs em diversas áreas que vão desde a dramaturgia, até a política, passando pela música e pelo entretenimento.

Porém, a maior parte dos ex-participantes que conseguiram uma carreira prolífica depois de participar do programa, como a apresentadora Sabrina Sato e a atriz Grazi Massafera, não foram necessariamente os campeões de suas respectivas edições.

publicidade

Em um exercício de memória, buscamos relembrar os 21 campeões do BBB, desde Kleber “Bambam”, até Juliette, a ex-BBB mais seguida no Instagram, passando por Diego “Alemão”, Dhomini e outros menos célebres, que foi até um pouco difícil lembrar de cabeça.

O começo de tudo

No longínquo ano de 2002, Kleber de Paula Pedra, conhecido pelo apelido “Bambam”, conquistou o Brasil e se sagrou o primeiro campeão da versão tupiniquim do Big Brother e levou para casa R$ 500 mil. Hoje, o agora ex-dançarino ganha a vida como influenciador fitness, ensinando dietas e treinos para hipertrofia.

Kleber Bambam chegou a voltar ao BBB na 13ª edição, mas acabou desistindo do jogo. Crédito: Rede Globo/Divulgação

No mesmo ano, o domador de cavalos Rodrigo Leonel, então com 32 anos, levou para casa o prêmio de meio-milhão de reais. Porém, investimentos malsucedidos fizeram com que o “Cowboy”, como ficou conhecido, precisasse voltar a ser empregado em fazendas no interior de São Paulo para sobreviver.

Em 2003, após travar batalhas épicas contra o massoterapeuta Jean Massumi, o Brasil escolheu André Augusto Ferreira Fontes, o Dhomini, como terceiro campeão do Big Brother. Hoje, o ex-assessor parlamentar goiano vive na região da Chapada dos Veadeiros e trabalha com marketing multinível.

A primeira mulher

No ano seguinte, finalmente uma mulher venceu o Big Brother Brasil. A babá Gecilda da Silva dos Santos, a Cida, então com apenas 20 anos, faturou os R$ 500 mil. Porém, a má gestão do dinheiro, uma série de empréstimos e um golpe financeiro fizeram Cida perder todo o dinheiro ganho no BBB.

Um dos vencedores mais célebres do BBB foi o professor baiano Jean Wyllys. A primeira edição com prêmio de R$ 1 milhão, também foi a primeira vencida por um membro da comunidade LGBTQIA+. Cinco anos depois, Jean entrou para a política, onde se elegeu por três vezes deputado federal pelo Psol do Rio de Janeiro.

Jean Wyllys venceu a disputa contra Grazi MassaferaCrédito: Rede Globo/Divulgação

A sexta edição do BBB foi vencida pela auxiliar de enfermagem Maria Nilza Viana dos Santos, a Mara. E, pode-se dizer que ela foi quem usou melhor o dinheiro do prêmio. Com seu R$ 1 milhão, Mara pagou um tratamento de saúde para a filha e investiu o restante em imóveis de aluguel e uma pousada em Porto Seguro.

O fenômeno Alemão

Um dos mais famosos e lembrados vencedores do Big Brother Brasil é Diego Gasques, o Diego Alemão. O administrador de empresas conquistou o Brasil e levou nada menos do que 95% dos votos na final. Porém, o Alemão não conseguiu o sucesso esperado do lado de fora da casa. Hoje, Diego disputa torneios de poker.

Diego Alemão foi um dos participantes com maior índice de aprovação na história do BBB. Crédito: Rede Globo/Divulgação

No auge do movimento emocore, em 2008, um de seus representantes saiu vencedor da “casa mais vigiada do Brasil”. Rafael Ribeiro Medeiros de Carvalho, o Rafinha, foi o campeão do BBB 8 e levou para casa R$ 1 milhão. Hoje, o campineiro é dono de um estúdio de tatuagens em sua cidade natal.

Na nona edição do BBB, o vencedor foi o artista plástico Max Porto, que foi o campeão com menor vantagem sobre o segundo colocado, apenas 0,24%. Hoje, Max atua em várias frentes, sendo a principal delas as artes plásticas. O ex-BBB possui uma loja online onde comercializa esculturas de personagens da cultura pop.

A segunda chance

O BBB 10 foi o primeiro a dar a oportunidade de ex-participantes voltarem à casa do Big Brother Brasil. A ideia deu certo e um dos que retornaram ao jogo acabou vencendo a competição e levando R$1,5 milhão para casa, o lutador de jiu-jitsu Marcelo Dourado. Hoje, Dourado segue se dedicando às artes marciais.

Marcelo Dourado saiu vencedor de sua segunda participação no BBB. Crédito: Rede Globo/Divulgação

Na segunda edição com prêmio de 1,5 milhão, a modelo Maria Melilo acabou se sagrando campeã, com 43% dos votos em uma final bastante tranquila. Após vencer o BBB, Maria participou de alguns programas da TV Globo, quando decidiu seguir carreira de atriz.

Um dos vencedores com a maior porcentagem de votos da história do BBB é também um dos que leva a vida de maneira mais pacata após vencer o reality show. Fael Cordeiro, que levou o prêmio de R$ 1,5 milhão com 92% dos votos, trabalha com pecuária e é dono de uma fazenda no estado do Mato Grosso do Sul.

Vacas magras

A vencedora da 13ª edição do BBB foi uma das que conseguiu se manter por mais tempo dentro da indústria do entretenimento após vencer o programa. A advogada Fernanda Keulla virou apresentadora de TV, e hoje é uma das comandantes de um programa de comédia na RedeTV!.

Após protagonizar o primeiro casal LGBTQIA+ dentro do BBB com a modelo Clara Aguilar, a ativista Vanessa Mesquita se sagrou a campeã do Big Brother Brasil 15. Hoje, a ex-modelo se dedica à causa animal, estuda medicina veterinária e possui uma conta no Only Fans.

Leia mais:

O BBB 15 foi vencido pelo economista e então estudante de direito Cezar Lima, que conquistou o público com um jogo bastante discreto e um jeito de ser considerado “amável”. Em 2018, Cezar se candidatou a deputado federal pelo Partido Verde (PV) do Paraná, mas não foi eleito.

Só dão elas

Munik Nunes iniciou uma espécie de “dinastia” feminina entre os vencedores do BBB. Crédito: Rede Globo/Divulgação

O Big Brother Brasil 16 foi o primeiro de uma série de seis edições seguidas vencidas por mulheres. A primeira delas foi a estudante Munik Nunes, que, à época, tinha apenas 19 anos. Hoje, Munik trabalha como influenciadora digital e faz publicidade para marcas do segmento fitness no Instagram.

A vencedora da 17ª edição do Big Brother foi a estudante gaúcha Emily Araújo, que levantou questões importantes referentes ao abuso psicológico ao ser vítima de um relacionamento apontado como abusivo. Hoje, Emily trabalha como apresentadora de um programa de música sertaneja no YouTube.

O BBB 18 foi o segundo apresentado por Tiago Leifert e o terceiro seguido vencido por uma mulher. Dessa vez, a campeã foi a acreana Gleici Damasceno, a primeira vencedora que veio da região norte do país. Hoje, Gleici é embaixadora de diversas marcas e influenciadora digital.

Nova fase

Fenômeno nas redes sociais, Juliette Freire mudou os paradigmas sobre o que é ser um participante do BBB. Crédito: Rede Globo/Divulgação

Em uma das edições mais polêmicas do BBB, a vencedora da 19ª temporada do Big Brother foi a mineira Paula von Sperling, que recebeu sérias acusações de preconceito religioso no decorrer do programa. Hoje, Paula é embaixadora de uma marca de bebidas energéticas.

O BBB 20 foi responsável por dar vida nova ao programa. A edição foi a primeira a mesclar famosos e anônimos na mesma casa, o que aumentou bastante o engajamento nas redes sociais. A vencedora foi a médica Thelma Assis, que hoje trabalha como YouTuber e comentarista de saúde.

Por último, mas longe de ser menos importante, a advogada e maquiadora Juliette Freire foi a vencedora do BBB 21, que foi chamado de “Big dos Bigs”. Depois de ser a vencedora mais votada da história, com 97% dos votos, Juliette seguiu carreira como cantora e já lançou um álbum de sucesso nas plataformas digitais.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!