A chegada da variante Ômicron da Covid-19 aumentou a procura pela segunda dose da vacina contra a doença em São Paulo. Desde 26 de novembro, quando a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a cepa como de preocupação, mais de 944 mil pessoas compareceram aos postos do estado.

Segundo a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, desde a data, a porcentagem de faltosos caiu 24%. Hoje, cerca de 2,9 milhões de pessoas estão com a segunda dose atrasada. A maior parte dos que tomaram a Pfizer, 1,5 milhão. A CoronaVac conta com 707 mil pessoas faltando e a AstraZeneca, 742 mil.

publicidade

“Os cinco casos de Ômicron identificados em SP até o momento evidenciam manifestação branda da Covid-19, o que pode estar associado ao fato de que todos tinham concluído seu esquema vacinal (ou seja, tinham tomado imunizante de dose única ou duas doses para demais)”, disse a secretária para o UOL.

Ômicron em São Paulo

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), afirmou nesta quinta-feira (9) que ainda não tomará nenhuma decisão sobre o carnaval de 2022 na cidade. De acordo com ele, não há nenhum indicador de saúde que faça a gestão alterar o calendário de eventos municipais antes de 2022 chegar.  

Leia também!

“Obviamente, se tivesse uma situação da Ômicron que nos colocasse em alerta, que ela fosse mais grave do que as outras variantes, que a saúde colocasse, eu cancelaria. Mas hoje, sinceramente, com muita tranquilidade, não tem necessidade de tomar essa decisão agora. Não tem por que cancelar o carnaval agora, seria prematuro”, disse Nunes durante uma coletiva na entrega da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Vergueiro.  

Além disso, a cidade de São Paulo também manteve obrigatório o uso das máscaras de proteção contra a Covid-19 após a Ômicron. Anteriormente, esperava-se que o equipamento fosse liberado ao ar livre no começo de dezembro. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!