Uma análise feita das redes sociais entre novembro de dezembro de 2021 mostrou que o movimento antivacina (antivax) possui variações complexas e interpretações conflitantes dos direitos humanos.

A análise de big data e palavras chaves feita em plataformas como Reddit e Twitter pela University of Melbourne permitiu que os resultados fossem obtidos. O monitoramento acontece desde o começo da pandemia da Covid-19.

publicidade

“O movimento antivax continua a gerar muito oxigênio, com agendas e ímpeto abrangentes. Evidências de influência de fora de Victoria e além da agenda de saúde são aparentes, com muito debate em torno das questões de liberdade e controle do governo “, disse o professor Robert Power, chefe do estudo.

Leia mais:

Movimento antivax 

Foram analisadas mais de 36 mil postagens no Twitter e no Reddit entre os dias 25 de novembro e 5 de dezembro de 2021, que continham oito palavras-chave separadas relacionadas ao coronavírus.

“Uma questão importante a emergir diz respeito à hesitação vacinal entre os povos das Primeiras Nações, onde o contexto da história colonial das intervenções de saúde foi levantado de forma negativa”, completou ainda.

“Havia um forte desejo de ouvir de uma gama mais ampla de experiências e questões, como de líderes comunitários e proprietários de pequenos negócios. Isso foi combinado com o cansaço de ouvir as mesmas vozes e pontos de vista, como de políticos, especialistas em saúde e epidemiologistas”, finalizou o especialista explicando alguns motivos que levaram ao crescimento do movimento antivax.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!