Ossos de um homem morto pela erupção mortal do Monte Vesúvio há quase 2 mil anos foram localizados em uma antiga praia no sítio arqueológico Herculano, na Itália. De acordo com pesquisadores, ele teria sido atingido enquanto corria para tentar escapar do rio de lava.

Segundo o site Live Science, o homem foi morto a poucos passos do mar na antiga cidade romana, que, como Pompeia, foi destruída pela colossal erupção do Vesúvio em 79 da Era Moderna.

publicidade
Esqueleto do homem encontrado em Herculano, que tinha entre 40 e 45 anos quando morreu. Os arqueólogos acham que ele pode ter sido um cidadão romano da cidade litorânea, popular entre os ricos. Imagem: Parco Archeologico di Ercolano

De acordo com o Parque Arqueológico de Herculano, o homem estava fugindo dos “abrigos de barcos” na cidade – na verdade, arcos de pedra usados ​​para armazenar redes e equipamentos de pesca – quando foi dominado pela nuvem “piroclástica” intensamente quente da erupção que engolfou a cidade a uma velocidade de mais de de 60 mph (100 km / h). 

“Quando a nuvem piroclástica chegou, a temperatura estava acima de 500ºC – estava muito, muito quente”, disse Francesco Sirano, diretor do Parque Arqueológico de Herculano. “Estava tão quente que tudo que vivia foi vaporizado imediatamente, como este homem”.

Tudo o que resta agora é seu esqueleto, que indica que ele estava de costas para o mar e em direção à terra quando caiu para trás – “provavelmente porque ele se virou para enfrentar a nuvem de gás quente e detritos vulcânicos”, disse Sirano. “Acredita-se que a nuvem piroclástica carregou o corpo até a beira da água ao longo da praia antiga e talvez até a parte rasa”.

Lavas do Monte Vesúvio mataram 4 mil pessoas em Herculano

Herculano, na baía de Nápoles, foi uma das várias cidades romanas destruídas pela erupção do Vesúvio, sendo coberta por uma camada de cinzas da erupção que a preservou dos elementos e dos saques até que foi redescoberta no início do século 18. 

A maioria dos mortos encontrados em Herculano – mais de 300 pessoas – perderam suas vidas nos arcos de pedra cerca de 30 metros para o interior, onde se pensa que eles se abrigaram para aguardar o resgate do mar quando foram vencidos pela nuvem piroclástica.

Escrevendo cerca de 25 anos depois, o autor romano Plínio, “o Jovem”, afirmou que seu tio Plínio, “o Velho” – um filósofo que também era almirante romano da região – havia encomendado barcos navais a Herculano para resgatar as pessoas da erupção do Monte Vesúvio. 

Leia mais:

No entanto, a missão não foi bem-sucedida, e a erupção matou Plínio, “o Velho”, em uma cidade chamada Stabiae, alguns quilômetros ao sul de Pompeia. No início deste ano, arqueólogos determinaram que o esqueleto de um homem diferente descoberto em Herculano na década de 1980 pode ter sido um oficial militar romano enviado para lá com a frota de resgate de Plínio.

Já o homem encontrado recentemente não estava usando uniforme e não parecia ter sido um soldado. A análise de seu esqueleto sugere que ele tinha entre 40 e 45 anos, segundo Sirano. 

Restos de uma caixa de madeira que ele parecia estar carregando em uma sacola de tecido sobreviveram – provavelmente continha seus pertences mais valiosos. Entre eles está um objeto feito de metal, possivelmente um anel, embora mais pesquisas sejam necessárias para determinar o que era. “Podemos argumentar que talvez ele fosse um cidadão romano da cidade, e não um dos membros da expedição de resgate”, disse Sirano.

Embora Pompeia tenha sofrido duas ondas piroclásticas, muitas pessoas naquela cidade sobreviveram apenas para serem mortas pela queda de destroços. Mas a nuvem piroclástica inicial em Herculano foi mais intensa e matou muitas pessoas quase imediatamente.

Estima-se que cerca de mil pessoas sobreviveram em Herculano, de uma população de cerca de 5 mil, enquanto a maioria das cerca de 20 mil pessoas em Pompeia acredita-se que tenham sobrevivido.

Primeiro esqueleto de vítima do Vesúvio encontrado em 14 anos

A falta de oxigênio na nuvem piroclástica em Herculano também significava que os objetos orgânicos eram carbonizados em vez de queimados. Como resultado, vigas de madeira no telhado, portas e até refeições foram encontradas lá. 

Segundo Sirano, a vítima recém-descoberta também estava cercada por detritos carbonizados, incluindo arbustos, raízes de árvores, vigas de telhado e fragmentos de molduras e painéis, provavelmente de casas. 

Embora os arqueólogos tenham explorado inicialmente a área da antiga praia na década de 1980, eles voltaram recentemente para lá, em parte graças ao apoio financeiro do Packard Humanities Institute nos EUA, segundo Sirano.

O esqueleto é o primeiro encontrado de qualquer vítima do Vesúvio em 14 anos e oferece aos pesquisadores a oportunidade de aplicar as técnicas científicas mais recentes – incluindo fotogrametria 3D, de todas as fases da escavação.

“Essa análise deve revelar um instantâneo da tragédia que, com sorte, trará novos insights sobre a erupção e a vida cotidiana na cidade antiga”, disse Sirano.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!