A pandemia da Covid-19 está voltando a ganhar força na França. No sábado de Natal (25) o país registrou pouco mais de 100 mil casos da doença. Só nas últimas três semanas, o número diário de infecções dobrou.

Nos últimos dias, a França vem batendo recordes de contaminações por Covid-19 com a variante Ômicron. Antes desse período, o recorde era de novembro de 2020, quando a variante Alpha estava em ascensão e o país teve 86.852 casos em um único dia.

publicidade

Para tentar conter o avanço da doença sem a necessidade de lockdown, o país aposta na exigência de comprovante de vacinação e a aplicação da terceira dose para proteger a população contra a Ômicron.

Leia também!

França contra a Covid-19

Jean-François Delfraissy, presidente do Conselho Científico francês, disse que as autoridades ainda avaliam o risco da Ômicron e que no momento a prioridade é evitar a lotação dos hospitais. Ao contrário de outros países da Europa, a França adotou poucas medidas para conter a nova cepa da Covid-19.

Delfraissy ainda deixou claro que o país pode apertar as regras caso os números continuem aumentando. A estimativa é de que a Ômicron já é responsável por pelo menos metade dos novos casos da doença na capital Paris.

O governo francês também passou a disponibilizar a terceira dose para pessoas com mais de 18 anos que tomaram a segunda há no mínimo três meses. Adolescentes de 12 a 17 anos também podem receber o reforço caso tenham predisposição.

O país tem cerca de 90% da população maior de 12 anos vacinada, o que representa uma das taxas mais altas de toda União Europeia. Crianças de 5 a 11 anos já são imunizadas desde o dia 22.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!