Um novo vídeo do canal de Jay Leno, no YouTube, mostra como é complexo o processo de dar partida em um carro a vapor de 1909. Em comparação com os dias de hoje, onde basta girar uma chave de ignição – ou até mesmo só apertar um botão – para já sair dirigindo, a tarefa exigiu do popular apresentador norte-americano muito suor.

Depois de realizar todos os procedimentos e fazer o 1909 White Model M funcionar, Jay Leno ainda deu um passeio com o estiloso veículo ornado nas cores preta e verde. Nas cenas, temos momentos do apresentador andando “a pleno vapor” com o carro, enquanto seus cabelos são balançados pelo vento. Confira:

publicidade

Um processo trabalhoso

O White escolhido para estrelar o vídeo usa um gerador de vapor em vez de uma caldeira, produzindo no máximo 40 cv, sendo o motor mais potente que a empresa já fez. Tal gerador é silencioso quando atinge a temperatura operacional adequada, sendo capaz de funcionar a 25 rpm.

Primeiro, Jay Leno e um amigo precisaram pressurizar manualmente o combustível e se certificar de que o tanque de água estava cheio. O carro usa uma chama piloto como fonte de ignição para seu queimador principal. Então, um maçarico (isso mesmo) foi usado para acender esse queimador por um pequeno orifício na parte de baixo do veículo, o que exigiu do apresentador alguns momentos rastejando de costas, sujando seu macacão.

Leia mais:

Levou cerca de 10 minutos para o vapor começar a ser gerado. O White possui um gerador de vapor ao invés de uma caldeira convencional, com serpentinas que permitem que pequenas quantidades de água sejam aquecidas por vez. Isso também significa que o vapor é usado conforme é produzido, em vez de acumulado e usado.

Os motores a vapor fornecem muito torque e funcionam melhor quando estão quentes, conforme explica Jay Leno. Ao contrário dos motores de combustão interna, o objetivo é reter o máximo de calor possível para produzir mais vapor.

Máquinas com esse tipo de propulsão usam vapor pressurizado gerado pelo aquecimento da água a bordo. Tal como acontece com os motores a gasolina, o movimento do pistão é aproveitado para girar as rodas.

Dirigindo a vapor

Durante o passeio com o carro a vapor, Jay Leno falou sobre as funções dos medidores – para combustível, fogo, água e mais. O veículo possui três pedais, sendo o mais à direita responsável pelos freios. Um ponto curioso: uma pequena roda dentro do volante aciona o acelerador, permitindo que o carro alcance velocidades entre 96 e 104 km/h. Segundo o apresentador, o ponto ideal do carro está a cerca de 64 km/h.

No início da era automobilística, havia três ideias principais de propulsão concorrendo (veículos elétricos, motores de combustão interna e vapor). Duas restaram hoje, com a energia a vapor caindo em desuso há mais de 100 anos. Carros movidos a vapor eram máquinas pesadas, mas eram uma tecnologia madura, graças a décadas de refinamento em locomotivas ferroviárias e aplicações industriais.

De acordo com Jay Leno, a White construiu cerca de 13 mil desses carros, mas muitos foram derretidos durante a Segunda Guerra Mundial, devido aos metais de qualidade que usavam. Por causa disso, e da devastação do tempo, o apresentador diz que só restam 167 no mundo.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!