Ciência e Espaço

Elon Musk afirma que SpaceX colocará astronautas em Marte em uma década

02/01/22 15h32, atualizada em 02/01/22 16h23

Tripulantes em uma missão simulada do Planeta Vermelho trabalham na Mars Desert Research Station da Mars Society em Utah. (Crédito da imagem: The Mars Society / MDRS)

Elon Musk tem uma previsão bastante otimista para quando uma de suas empresas, a SpaceX, conseguirá realizar o sonho de levar humanos a Marte. Questionado sobre o tema durante uma entrevista de quase duas horas e meia no podcast de Lex Friedman, ele pensou por cerca de 20 segundos e respondeu: “no melhor caso, cinco anos. No pior caso, dez anos“.

Segundo o executivo, o principal obstáculo a ser superado é a engenharia. Ele afirma que a Starship é a espaçonave mais complexa já construída “por uma ordem de magnitude”, e que seu principal critério de otimização é custo por tonelada para a órbita terrestre e, eventualmente, custo por tonelada até Marte. 

“Há um custo por tonelada para a superfície de Marte a partir do qual podemos arcar com o custo de manter uma cidade autosustentável. Hoje você não conseguiria voar até Marte nem por US$ 1 trilhão, então temos que superar isso”, afirma.

“A Starship pode, em teoria, chegar a um custo por lançamento de US$ 1 milhão, talvez US$ 2 milhões, e colocar 100 toneladas em órbita, o que é loucura. Não precisamos reinventar a física“. 

O bilionário afirma que a estratégia para Marte é diferente do programa Apollo, da Nasa, que levou homens à Lua entre 1969 e 1972. “Com Marte, nosso objetivo não é deixar pegadas e bandeiras e não retornar por 50 anos”, disse. “Para superar o ‘grande filtro’, precisamos ser uma espécie multiplanetária”, diz o bilionário.

Leia mais:

O “grande filtro” é uma das muitas teorias para explicar o chamado Paradoxo de Fermi, que pode ser resumido na seguinte pergunta: “porque nunca encontramos uma outra civilização inteligente no universo, se todas as estimativas apontam que elas deveriam ser abundantes?”.

Uma possível resposta é que há um evento, ou série de eventos, que seriam intransponíveis para a maioria da civilizações antes que elas se tornassem avançadas o suficiente para se comunicar. Essa misteriosa barreira, que poderia ser uma catástrofe planetária, causada ou não por uma civilização, seria o “grande filtro”. 

Basicamente, o que Musk quer dizer é que, colonizando outros planetas, aumentamos as chances de sobrevivência de nossa espécie a longo prazo.

Vale lembrar que Musk é conhecido por suas previsões altamente otimistas. Em 2019 ele estimou que a Starship poderia fazer seu primeiro pouso na Lua em 2021, sendo que até o momento ela sequer chegou ao espaço, quanto mais entrou em órbita terrestre. Por outro lado, a SpaceX já demonstrou ser capaz de grandes feitos, e desde 2020 transporta rotineiramente astronautas, e eventualmente alguns turistas, à órbita terrestre.

A estimativa mais recente é que o primeiro voo orbital, não tripulado, de uma Starship ocorra em março deste ano. Mas até chegar a uma missão tripulada, especialmente a Marte, ainda há “muito chão”, ou espaço, pela frente.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Deixe sua opinião
Sugeridos pra você
Tags