Uma das principais promessas de investimentos para 2022 é o bitcoin. Pelo menos essa tem sido a posição de vários analistas nos últimos dias. Grande parte acredita em uma recuperação da criptomoeda ao longo dos próximos meses em um desempenho que poderá deixar para trás os altos e baixos registrados ao longo de 2021. De acordo com previsão da Glassnode, especialista em análises de mercado de criptomoedas, a falta de interesse do varejo pela moeda digital por ser um sinalizador de uma tendência de alta. 

Fundo deve impactar em alta do bitcoin 

Segundo os analistas da Glassnode, a métrica ‘paper hands ratio’ (proporção de moedas novas ativas nos últimos seis meses em relação ao estoque circulante) mostra que um fundo pode estar bem próximo. 

publicidade

Assim, a expectativa é que esse aporte influencie em um preço mínimo do bitcoin, o que impacta em uma tendência de alta. Quanto mais alta a métrica estiver, maior é o interesse de investidores do varejo e vice-versa. 

Como os investidores do varejo podem ter um baixo desejo de manter um ativo (bull market) ou sair de um mercado de baixa (bear market), a queda da atividade do varejo é estudada como um indicador contrário, ou seja, trata-se de uma sugestão de alta. 

“Estamos em 24,5% atualmente, o nível mais baixo desde o bear market de 2015. Cada vez que a proporção atingiu cerca de 25% no passado, gerou um bull market de vários anos com ganhos incríveis, o que indica que esse período de medo pode ser uma grande oportunidade de compra com base em dados históricos”, revelou um analista da Glassnode. 

bitcoin altos e baixos
Após inúmeras reviravoltas em seu valor registradas ao longo de 2021, bitcoin volta a ser grande aposta de investimento para 2022, desde que mercado esteja favorável nos próximos meses. Imagem: Shutterstock

Outro indicador que pode impactar positivamente no valor do bitcoin é a neutralidade das taxas de financiamento. Portanto, um movimento de alta está cada vez mais próximo na visão dos especialistas do mercado financeiro. 

Além disso, desde dezembro, as posições abertas na Binance, maior bolsa de criptomoedas do mundo, tiveram um aumento de 190.000 BTC para 258.000 BTC, com taxas de financiamentos neutras a negativas. Cenário perfeito para que os investidores segurem as posições vendidas. 

Mas é importante frisar que essa tendência de alta só se confirmará caso o mercado contribua. Do contrário, o bitcoin pode ruir em uma realidade negativa envolvendo as criptomoedas. 

Leia mais:

Bitcoin: aposta arriscada 

Atualmente, o valor da criptomoeda tem oscilado entre US$ 45.400 e US$ 52.100, bem distantes da expectativa dos analistas de atingir US$ 100 mil ao longo de 2021. 

Apesar das oscilações nos últimos 12 meses, o bitcoin fechou 2021 com uma valorização acumulada de 160%, mas as demais criptomoedas tiveram resultados bem melhores. 

Exemplo é a ethereum, com uma alta de 600%. Em uma análise geral, as principais criptomoedas fecharam 2021 com um aumento de 200%, passando de US$ 800 bilhões para US$ 2,4 trilhões registrados até dezembro. Na máxima do ano, foi atingida a marca dos US$3 trilhões. Desse total, 38% são referentes ao bitcoin. 

Completam o balanço as finanças descentralizadas, como NFTs, jogos play-to-earn e metaverso. Mesmo assim, os investidores estão confiantes em uma recuperação das criptomoedas, em especial, do bitcoin.

Via: InfoMoney

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!