A Apple vai exigir que os funcionários da empresa tomem a dose de reforço da vacina contra a Covid-19. A informação foi obtida pelo portal The Verge, que conseguiu acesso a um e-mail interno da gigante da tecnologia.

A partir do dia 15 de fevereiro, quando um funcionário estiver qualificado para receber uma dose de reforço, ele terá quatro semanas para cumprir. Caso contrário, o empregado precisará fazer testes frequentes para entrar em uma loja de varejo, loja parceira ou escritório da Apple. Além disso, a empresa exigirá que funcionários não vacinados – ou aqueles que ainda não enviaram comprovante de vacinação – forneçam testes rápidos de antígeno negativos antes de entrar no local de trabalho a partir do dia 24 de janeiro.

publicidade

“Devido à diminuição da eficácia da série primária de vacinas contra a Covid-19 e ao surgimento de variantes altamente transmissíveis, como a Ômicron, uma dose de reforço agora faz parte de manter-se atualizado com sua vacinação para proteger contra sintomas graves”, diz o e-mail.

No ano passado, a Apple pediu que funcionários corporativos não vacinados fizessem testes diários antes de entrar no escritório. A empresa também começou a exigir que os empregados vacinados fizessem testes uma vez por semana e, posteriormente, diminuiu a frequência desses testes.

Leia também:

No início desta semana, a Meta disse que os funcionários precisarão tomar uma injeção de reforço da vacina contra a Covid-19 antes do retorno da empresa ao trabalho presencial, em março. Embora o Google ainda não tenha exigido doses de reforço em toda a empresa, a empresa exige que os funcionários tenham as duas primeiras doses da vacina, além de fazer testes semanais.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!