O dia 21 de janeiro é o marco de dois anos do primeiro caso confirmado de Covid-19 nos Estados Unidos, enquanto no Brasil, completará no dia 26 de fevereiro. A pandemia afetou todas as pessoas do mundo e os setores de atuação da humanidade, e com o surgimento de novas variantes e picos alarmantes, não se sabe quando terá um fim.

Então, será que viver em uma pandemia será o nosso ‘novo normal’ no futuro? Ou a Covid-19 será erradicada? Os especialistas em doenças infecciosas da Mayo Clinic esperam que as coisas mudem no futuro, por mais que esteja muito difícil de prever.

publicidade

“No momento, ainda estamos em um dos surtos da pandemia – espero que um dos últimos, se não o último – grande surto. Portanto, ainda não estamos nessa nova fase normal, mas estamos recebendo muito mais perto”, disse o Dr. John O’Horo, um dos especialistas em doenças infecciosas.

De acordo com ele,  “à medida que avançamos para esse novo normal, o que isso realmente significa é que isso se torna um vírus endêmico como a gripe que circula – pior em certas épocas do ano em alguns lugares – e requer algumas das mesmas medidas que exigimos para a gripe, como ter o esquema vacinal completo.”

publicidade

Além de que, muitas das medidas de precaução, como o uso de máscara, possam ser flexibilizadas pelas autoridades de saúde, o Dr. O’Horo comentou que elas podem ser restabelecidas no futuro se ocorrerem os casos de Covid-19 não diminuírem.

Leia mais:

publicidade

“Durante os períodos de alta transmissão, podemos ver algumas dessas restrições retornarem às quais estamos acostumados nos últimos dois anos – como usar máscaras em determinados ambientes – dependendo da prevalência local, das cepas que existem e da vulnerabilidade das pessoas”, argumentou.

Brasil alcançou 400 mil mortes por Covid-19: existe previsão para o fim da pandemia?
Imagem: 2K Studio (iStock)

Para ele, um bom exemplo são as instalações de saúde, que terão um limite mais baixo para recomendar ou até exigir máscaras durante um surto no futuro. Só que as autoridade de saúde esperam que esses surtos sejam mais curtos e menos frequentes do nos últimos dois anos.

publicidade

Um fator determinante para para podermos ter um a estabilidade de casos e poder pensar em ter uma vida como era antes é todo mundo se vacinar e ainda receber a dose reforço da Covid-19: “Quando olhamos para o novo normal, uma coisa que tenho certeza que será uma grande parte disso são as vacinas”. Dr. O’Horo complementou que as vacinas continuam sendo uma das melhores ferramentas que contribuem para diminuir a propagação da doença, sendo o nosso caminho mais rápido de volta ao normal.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!