Um novo sistema promete ajudar deficientes visuais a enxergar por meio da tecnologia infravermelha, segundo paper enviado para revisão de pares e produzido pela Universidade Tecnológica de Munique, na Alemanha.

O aparelho consiste de um óculos com armação feita em impressora 3D e uma câmera 3D com feedback háptico, bem como um bracelete que conta com 25 atuadores. Esses atuadores projetam uma espécie de “grade” capaz de determinar a proximidade e orientação de objetos ao redor do usuário.

publicidade

Leia também

Novos óculos podem ajudar deficientes visuais a enxergar obstáculos por meio de tecnologia infravermelha e vibrações
Novos óculos podem ajudar deficientes visuais a enxergar obstáculos por meio de tecnologia infravermelha e vibrações (Imagem: Zahn, Khan et al/Reprodução)

A grosso modo, não é “ver” no sentido de enxergar as formas dos objetos, mas sim “ver” no intuito de perceber distâncias e profundidades. E a vantagem de usar tecnologia infravermelha é a de que o dispositivo em questão funciona até mesmo no escuro.

publicidade

“Mesmo nos anos atuais os deficientes visuais enfrentam um desafio constante para enxergar e navegar”, disseram Manuel Zahn e Armaghan Ahmad Khan, coautores do estudo. “A ferramenta mais comum disponível para esse público é a bengala. Apesar de ela permitir uma boa detecção de objetos na área imediatamente ao redor de seus usuários, ela não tem a capacidade de encontrar obstáculos mais distantes”.

Os atuadores são a chave do sucesso deste experimento: eles vibram conforme a distância de um obstáculo detectado. Essa vibração projeta a “imagem” no óculos, onde a câmera está instalada. Quanto mais o usuário se aproximar do obstáculo, mais fortes ficarão as vibrações.

publicidade

De acordo com o paper, em testes voluntários, o sistema exibiu 98% de precisão. Os testes envolveram cinco voluntários, e todos navegaram com sucesso, sem errar, por uma rota com obstáculos posicionados em seus caminhos. Não só ninguém cometeu erros, como depois de duas ou três tentativas, os voluntários começaram a percorrer o trajeto mais rapidamente.

Há, ainda, o benefício adicional do óculos não precisar de fones de ouvido ou headsets. O paper em questão está em pré-publicação no arXiv, aguardando revisão científica.

publicidade

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!