As primeiras semanas de 2022 estão difíceis para quem investe no Bitcoin. Após acumular uma queda de mais de 11% na última sexta-feira (21), a criptomoeda mais famosa do mercado segue em queda livre em meio aos temores de um ataque da Rússia à Ucrânia.

No momento da publicação, a moeda digital acumula queda semanal de mais de 18%, se mantendo ligeiramente acima dos US$ 34 mil, o que não acontecia desde julho do ano passado — como comparativo, o Bitcoin era cotado a US$ 46 mil no início de janeiro.

publicidade

A nova queda é mais um golpe ao mercado de criptoativos. Em seu pior momento, o Bitcoin chegou a valer pouco mais de US$ 33,7 mil nesta segunda (24). Vale lembrar que o valor está cada vez mais distante dos US$ 69 mil vistos em novembro do ano passado, período que marcou a maior alta da história do ativo digital.

Como sempre ocorre nas quedas do Bitcoin, a capitalização de todo o mercado de criptomoedas também caiu cerca de 5%, valendo agora US$ 1,55 trilhão (quase a metade dos US$ 3 trilhões alcançados também em novembro do ano passado).

Moedas de bitcoin com notas de dólar.
Temores de um novo conflito derrubou o valor do Bitcoin e impactou mercado de ações. Imagem: Volodymyr_Shtun/Shutterstock

Outras criptomoedas também caíram. O Ethereum, por exemplo, já acumula queda de quase 30% nos últimos sete dias. Atualmente, o ativo digital é cotado na faixa dos US$ 2,200, também o valor mais baixo desde julho do ano passado.

Veja também

Anúncio do governo americano motivou queda do Bitcoin

No último domingo (23), segundo a Reuters, o governo dos EUA afirmou que vai ordenar que os familiares dos diplomatas norte-americanos deixem a Ucrânia. O sinal pode indicar que as autoridades do país estão se preparando para agir de forma mais agressiva contra a Rússia.

Os temores de um novo conflito derrubaram não só o valor do Bitcoin como também impactou o mercado de ações. 

Empresas listadas na bolsa que atuam no ramo das criptomoedas chegaram a registrar quedas de 7,3% a 12% na manhã de hoje. Foi o caso da Bit Digital, da Coinbase, outro nome conhecido no mercado de ativos digitais, e da Riot Blockchain.

Via: Decrypt, Reuters

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!