Um estudo publicado na revista científica Ichthyology & Herpetology descobriu que os peixes são muito mais propensos a se comunicar com o som do que se pensava — e alguns fazem isso há pelo menos 155 milhões de anos.

“Sabemos há muito tempo que alguns peixes emitem sons”, disse o autor principal Aaron Rice, pesquisador do Centro de Conservação Bioacústica K. Lisa Yang, no Laboratório de Ornitologia da Universidade de Cornell, em Nova York. “Mas os sons dos peixes sempre foram percebidos como esquisitices raras. Queríamos saber se eram pontuais ou se havia um padrão mais amplo de comunicação acústica entre eles”.

publicidade
Pesquisadores descobriram que peixes falam. E sobre o que eles conversam? Imagem: Nata-Lia – Shutterstock

Rice e sua equipe de pesquisadores analisaram espécimes da classe dos actinopterígeos, animais marinhos com nadadeiras suportadas por “raios” ou lepidotríquias, esqueleto interno tipicamente calcificado e aberturas branquiais protegidas por um opérculo ósseo. Esses vertebrados compreendem 99% das espécies de peixes conhecidas do mundo. 

Segundo os cientistas, eles encontraram 175 famílias que contêm dois terços das espécies de peixes que se comunicam com o som. Ao examinar a árvore genealógica desses animais, os autores do estudo descobriram que o som era tão importante que evoluiu pelo menos 33 vezes ao longo de milhões de anos.

Como o estudo foi conduzido

“Graças a décadas de pesquisas básicas sobre as relações evolutivas dos peixes, agora podemos explorar muitas questões sobre como diferentes funções e comportamentos evoluíram nas aproximadamente 35 mil espécies conhecidas de peixes”, disse o coautor William E. Bemis, professor de ecologia e biologia evolutiva na Faculdade de Agricultura e Ciências da Vida. “Estamos fugindo de uma maneira estritamente centrada no ser humano. O que aprendemos pode nos dar alguma visão sobre os drivers da comunicação sólida e como ela continua a evoluir”.

Leia mais:

Na pesquisa, os cientistas usaram três fontes de informação: gravações existentes e artigos científicos descrevendo sons de peixes; a anatomia conhecida desses animais — se eles têm as ferramentas certas para fazer sons, como certos ossos, uma bexiga de ar e músculos específicos do som; e referências na literatura do século 19 antes dos microfones subaquáticos serem inventados.

“A comunicação sonora é muitas vezes negligenciada dentro dos peixes, mas eles compõem mais da metade de todas as espécies de vertebrados vivos”, disse Andrew Bass, coautor principal e professor de Neurobiologia e Comportamento na Faculdade de Artes e Ciências de Cornell. “Eles provavelmente foram negligenciados porque os peixes não são facilmente ouvidos ou vistos, e a ciência da comunicação acústica subaquática tem se concentrado principalmente em baleias e golfinhos. Mas os peixes têm vozes, também”.

Sobre o que os peixes conversam?

E sobre o que eles falam? Praticamente, sobre as mesmas coisas que todos falamos: sexo e comida. Rice diz que os peixes estão tentando atrair um companheiro, defender uma fonte de alimento ou território, ou deixar os outros saberem onde eles estão.

Até mesmo alguns dos nomes comuns para os peixes são baseados nos sons que eles fazem, como é o caso dos peixes-porco, bagres e trompetistas.

Rice pretende continuar rastreando a descoberta do som em espécies de peixes e fomentar seu banco de dados — um projeto que ele começou há 20 anos com os coautores do estudo Ingrid Kaatz e Philip Lobel, da Universidade de Boston. 

“Isso introduz uma comunicação sólida a muitos grupos mais do que pensávamos”, disse Rice. “Os peixes fazem tudo. Eles respiram ar, voam, comem tudo e qualquer coisa — neste momento, nada me surpreenderia sobre esses animais e os sons que eles podem fazer”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!