Um estudo conduzido pela agência espacial europeia (ESA) indica que o uso de robôs com retorno tátil (haptic feedback) pode abrir caminho para missões de exploração planetárias ou de retorno a satélites como a Lua.

“Retorno tátil”, por vezes referido como “retorno háptico” é, de uma forma bem resumida, você “sentir” remotamente os movimentos e manipulações feitas por um artefato sobre o seu controle. Os controles de videogames como o PlayStation 5 e o Xbox Series X, por exemplo, possuem essa função na forma de vibrações nas suas mãos quando você dispara uma arma ou corre em uma pista de terra em um jogo. 

publicidade

Leia também

Robô usado pela ESA em pesquisa tem retorno tátil, permitindo que operadores "sintam" o que ele tocar mesmo à distância
Robô usado pela ESA em pesquisa tem retorno tátil, permitindo que operadores “sintam” o que ele tocar mesmo à distância (Imagem: ESA/Divulgação)

A ideia da ESA é parecida, embora muitos graus mais avançada: missões planetárias ainda estão bem longe de ocorrerem (não importa o que Elon Musk diga), mas embora nós ainda não tenhamos colocado os pés em Marte, já mandamos muitas coisas para lá — somente a NASA já enviou três rovers e um mini helicóptero, sem contar esforços de outras agências.

A pesquisa sugere a missão “ANALOG-1”, a qual considerou 11 estudos separados sobre a operação remota de um robô de exploração planetária. A missão envolveu o astronauta Luca Parmitano, veterano da ESA que já viajou duas vezes à Estação Espacial Internacional (ISS) e um robô posicionado sobre um solo lunar artificial, criado dentro de um hangar de aviões da agência europeia na Holanda. O robô tinha a função de selecionar, investigar, manipular e guardar amostras de rocha.

O controle remoto exercido por Parmitano permitia ao robô movimentar seu braço em três graus de rotação e três graus de translação, com tecnologia de retorno tátil que “devolvia” as sensações do veículo ao astronauta. Em termos resumidos, o robô com retorno tátil levantava uma pedra, Parmitano sentia o seu peso como se estivesse em suas mãos.

“A combinação de um robô explorador robusto na superfície da Lua e um astronauta altamente treinado como seu operador, posicionado na relativa segurança da órbita espacial, pode permitir a execução de investigações mais difíceis e complexas do que as atualmente possíveis”, disse Kjetil Wormnes, cientista da ESA que chefiou o estudo.

A premissa tem um peso de verdade considerando que a tecnologia de retorno háptico já é uma realidade consolidada em nossa rotina, além do fato de diversos planetas do nosso sistema solar contarem com algum sistema eletrônico de observação ou exploração.

O aspecto da segurança também se faz notar aqui. Puxando apenas o básico do conhecimento que temos de Marte, por exemplo, podemos pensar em pelo menos cinco formas do planeta vermelho ser mortal para nós: seu sangue pode acabar gaseificado como se você fosse uma lata de refrigerante, as noites podem lhe congelar em questão de minutos, a ausência de oxigênio respirável pode lhe causar hipóxia, a atmosfera fina e ausência de campo magnético lhe deixa exposto aos raios cósmicos… mesmo devidamente protegidos, humanos ainda estariam em risco.

Robôs, com ou sem retorno tátil, por outro lado, são mais resistentes: o rover Curiosity está em Marte há quase 10 anos e ainda vem desempenhando seu papel, controlado pelos seus operadores da NASA aqui na Terra.

Em outras palavras: a tecnologia de retorno tátil já existe. A operação remota de robôs também. Falta é juntar os dois pilares.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!