O bilionário australiano Andrew Forrest deu entrada a um caso criminal contra o Facebook, alegando que a companhia falhou em impedir que anúncios fraudulentos usassem a sua imagem.

De acordo com a argumentação de Forrest, homem mais rico da Austrália e chefe executivo do grupo mineiro Fortescue Metals, o Facebook teria alegadamente violado as leis de lavagem de dinheiro do país.

publicidade

Forrest afirma que é a primeira vez que o Facebook enfrenta o caso criminal globalmente. A Meta, empresa dona do Facebook, não comentou o caso de Andrew Forrest, mas afirmou que estava “comprometida em manter essas pessoas [fraudadores] fora de nossa plataforma”.

Apesar dos ditos esforços da companhia, Forrest alega que o Facebook vem sendo “criminalmente imprudente” em não fazer mais para fazer esses anúncios, que apareceram pela primeira vez no começo de 2019, pararem.

Os golpes citados utilizam a imagem de Forrest e outras celebridades para promover investimentos falsos que prometem riquezas e, por mais que o Facebook proíba esse tipo de anúncio, ainda é comum que eles apareçam na plataforma.

bilionário australiano
Magnata australiano Andrew Forrest. Divulgação/Mines & Money London 2011

Antes de ir para vias judiciais, Andrew Forrest afirma ter escrito uma carta aberta ao chefão do Facebook, Mark Zuckerberg, em novembro de 2019, solicitando que ele tomasse ação nesse caso.

“Eu estou preocupado em australianos inocentes caindo em golpes por meio de publicidade clickbait em mídias sociais”, afirmou o magnata australiano em um pronunciamento, na última quinta-feira. “Eu estou agindo aqui pelos Australianos, mas isso está acontecendo no mundo todo.”

O caso será ouvido pela corte do oeste da Austrália a partir de 28 de março e, caso seja bem sucedida, o Facebook pode enfrentar a cobrança de multas ou ser obrigado a fazer alterações em sua publicidade.

Além do caso na justiça australiana, Forrest deu entrada em um processo civil no estado americano da Califórnia, onde fica situada a sede do Facebook. Nesse processo, o bilionário alega que o Facebook “sabidamente lucra com esse ciclo de anúncios ilegais”, de acordo com o jornal The Australian.

O The Australian ainda afirma citando documentos judiciais que uma vítima do país teria perdido o equivalente a US$ 670 mil por causa de um endosso falso de Andrew Forrest.

Veja também

Em comunicado à imprensa, o Facebook afirmou que tal anúncio fraudulento violou sua política. “Nós tomamos uma abordagem multifacetada para parar esses anúncios, nós trabalhamos não apenas para detectar e rejeitar os anúncios em si, mas também bloquear publicidades dos nossos serviços e, em alguns casos, tomar ação judicial para impor nossas políticas,” afirmou um representante da Meta.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!