O Bitcoin está em queda nesta sexta-feira (4). O motivo foi o ataque promovido por forças russas a uma usina nuclear na Ucrânia, a maior do continente europeu.

No momento da publicação, a moeda digital mais valiosa e popular do mercado acumula uma queda diária de 3,7% e flutua em torno dos US$ 40,8 mil, segundo o CoinMarketCap. No Brasil, segundo o índice do Mercado Bitcoin, o ativo digital vale pouco mais de R$ 208 mil.

publicidade

Para Sean Farrell, especialista em ativos digitais, se o conflito continuar, o cenário de incerteza vai gerar ainda mais volatilidade no mercado de criptoativos.  

Bandeiras da Ucrânia e Rússia colocadas em um mapa do continente europeu
Continuidade do conflito entre Rússia e Ucrânia pode gerar ainda mais volatilidade no mercado de criptomoedas. Imagem: evan_huang/Shutterstock

Em entrevista ao Bloomberg, Farrell aponta que se virmos outro ataque significativo da Rússia nos próximos dias, o Bitcoin pode cair ainda mais, valendo entre US$ 33 mil e US$ 35 mil.

Leia mais:

Usina foi atingida na madrugada de hoje

O governo da Ucrânia confirmou que a usina Zaporizhzhia pegou fogo na madrugada desta sexta (4) após ser atingida por artilharia russa, levantando ainda mais preocupações sobre a segurança do país em meio à invasão autorizada por Vladimir Putin.

Felizmente, nenhum dos reatores da central, responsável por um quarto da energia da Ucrânia, foi atingido. O fogo já foi controlado e não houve liberação de material radioativo, segundo o diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA), Rafael Grossi.

Bitcoin começou a semana em alta

Vale lembrar que o Bitcoin subiu quase 6% no início da semana com a expectativa de ganhar força como ativo de reserva durante a guerra. Nesta terça-feira (1º), depois de mais de duas semanas, a criptomoeda chegou a ultrapassar a faixa dos US$ 44 mil.

Os ganhos também foram ligados à forte adoção de criptomoedas nos países envolvidos no conflito. A Ucrânia, por exemplo, já recebeu milhões em criptomoedas para financiar a sua resistência à invasão.

Via: Bloomberg

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!