A Argentina deve incluir empresas de criptomoedas em suas regras para coibir a lavagem de dinheiro. Essas companhias de criptoativos deverão integrar o regime regulatório mais amplo, com a Unidad de Información Financiera (UIF) como autoridade competente no quesito.

A ideia é incluir as corretoras de criptomoedas à lista de entidades sujeitas aos requisitos de relatórios. De acordo com o jornal Buenos Aires Times, uma fonte “com conhecimento direto do assunto” afirmou que o plano do governo é colocar os novos regulamentos em vigor ainda neste ano de 2022.

publicidade

Leia mais:

Atualmente, as empresas de criptomoedas são obrigadas apenas a cumprir regulamentos de relatórios fiscais de 2019 na Argentina. Caso, a nova proposta seja aceita, a interação dessas companhias muda drasticamente no país.

publicidade
criptomoedas, EUA, joe biden
Por enquanto, empresas de criptomoedas que atuam na Argentina devem responder a uma regulação fiscal de 2019. Imagem: Chinnapong/Shutterstock

E não é a primeira vez que uma autoridade reguladora que supervisiona riscos mira esse tipo de negócio. Já aconteceu no Reino Unido, há um ano. Lá, por exemplo, as empresas de ativos digitais devem apresentar declarações anuais de crimes financeiros, documentando atividades suspeitas.

Neste mês de março, o presidente norte-americano Joe Biden assinou a Ordem Executiva para Garantir o Desenvolvimento Responsável de Ativos Digitais. A ideia, em parte, é reprimir o financiamento ilícito na indústria. Já o Parlamento Europeu votou por aprovar o pacote legislativo que regulamenta o mercado.

publicidade

Uma preocupação na Europa é ainda o consumo de energia gerado pelas criptomoedas. Há uma apreensão quanto ao gargalo na oferta de energia renovável à população, já que a tendência é que o setor também passe a utilizar fontes de energia verde no futuro.

Via: Decrypt

publicidade

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!