Na última sexta-feira (8), o programa Olhar Espacial recebeu José Dias do Nascimento Júnior, astrônomo brasileiro que integra a equipe científica do Telescópio Espacial LUVOIR, projeto selecionado pela Nasa, principalmente, para procurar por sinais de vida em outros planetas.

Considerado uma espécie de sucessor do Telescópio Espacial James Webb, o futuro observatório orbital, que deve ser lançado na década de 2040, será responsável por “escavar” muita ciência no espaço, com foco nos exoplanetas considerados parecidos com a Terra, com potencial habitabilidade.

publicidade
Professor José Dias do Nascimento Júnior, membro da equipe do Telescópio Espacial LUVOIR (em destaque), em entrevista a Marcelo Zurita (no topo) e Lorrane Olivlet, para o Olhar Espacial de 8 de abril de 2022. Imagem: YouTube – Olhar Digital

Nascimento é graduado em Física, com mestrado em Astrofísica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e doutorado em Astrofísica e Técnicas Espaciais pelo Instituto de Astrofísica e Planetologia, filiado à Universidade Paul Sabatier, em Toulouse, na França. Já lecionou em diversas instituições no Brasil e no exterior, sendo atualmente professor do Departamento de Física da UFRN e pesquisador associado do Centro Smithsonian de Astrofísica de Harvard, o maior laboratório de Astrofísica do mundo.

Além disso, ele também faz parte de alguns pacotes científicos relacionados ao futuro buscador de planetas conhecido como PLATO (sigla em inglês para Trânsitos Planetários e Oscilação das Estrelas), satélite que deverá ser lançado em 2026, em substituição à sonda espacial Kepler, da NASA. O projeto, coordenado pela Agência Espacial Europeia (ESA), conta com a contribuição de algumas instituições de ensino e pesquisa brasileiras.

Segundo Nascimento, a capacidade do telescópio LUVOIR de enxergar em luz ultravioleta, além do infravermelho, possibilitará que ele capte possíveis bioassinaturas (sinais de vida) nos exoplanetas que examinar. “Essa forma de ‘atacar o problema’ em dois comprimentos de ondas, além do seu tamanho de espelho tão grande, no que a gente chama de ‘bacia coletora’ de imagens, será muito eficiente na busca por eventuais sinais de vida em outros planetas”, disse o pesquisador.

Telescópio Espacial LUVOIR, futuro substituto do James Webb. Imagem: Andrew Jones / NASA (telescópio) – Montagem: Marcelo Zurita

Nascimento explica que o telescópio LUVOIR é o que vem de mais moderno na observação planetária. “Ele representa um grande avanço nessa sequência que começou com o Hubble, seguido do James Webb, e posteriormente, o LUVOIR. Uma sequência de equipamentos que vão fazer história com relação à caracterização dos exoplanetas descobertos”.

Para descobrir vida em outros planetas é necessário, primeiro, definir o que é vida

Questionado pelo apresentador Marcelo Zurita sobre a possibilidade da descoberta de vida em outros planetas, e quando isso aconteceria, o convidado disse que, antes de mais nada, é necessário esclarecer a definição de vida.

“A detecção de vida passa, primeiramente, pela definição do que é vida. Se tivermos que definir, hoje, a vida, muito possivelmente teríamos uma dificuldade terrível para saber em que nível de estrutura estaria a vida da forma como a conhecemos”, explicou Nascimento. “Então, estamos à procura de um elo entre a vida como conhecemos e a parte química, que é a composição fundamental da vida. Falta um elo nessa complexidade: que são as moléculas, as cadeias pré-biológicas. E detectar toda essa química já vai ser um avanço gigantesco”.

Leia mais:

E isso, segundo ele, não está longe de acontecer. “A impressão que eu tenho é que encontrar a vida, se você considerar que a vida é a detecção de algo como a gente conhece, como uma bactéria, nós não temos absolutamente nenhuma chance [ao procurar em exoplanetas]. Porém, eu acho que nós vamos poder detectar moléculas com complexidade suficiente para se dizer ‘olha, se não tem vida, é por uma questão de tempo, mas nós temos ali todas as condições’, ou seja, todas as bioassinaturas probabilísticas de formação de vida. A geração do LUVOIR já vai poder ver esse anúncio. Vamos estar em casa, e a televisão vai dizer que a ciência acaba de detectar uma molécula muito próxima do que seria uma das moléculas primitivas da forma que já detectamos na Terra”.

Nascimento revelou que um grupo de pesquisadores na UFRN estuda rochas recolhidas no interior do Rio Grande do Norte que fazem parte do Arqueano – o conjunto de rochas mais antigas da Terra. “Entre elas, temos rochas cristalizadas contendo seres pré-históricos em seu interior. São coisas de milhões de anos, que só existem na Rússia, na Austrália e no Rio Grande do Norte. Estamos fazendo a caracterização das primeiras amostras. Claro que nós não vamos ter acesso à vida primitiva, mas nós vamos poder examinar os resíduos deixados dentro das rochas, permitindo a caracterização da vida biológica primitiva”.

Ele explica que essa pesquisa, inédita no Brasil, pode fornecer dados importantíssimos sobre como a vida se formou na Terra, o que, sem dúvida, tem total relação com o espaço. “No espaço, não teria porque ser diferente. Então, o LUVOIR e outros equipamentos vão nos permitir olhar e tentar detectar, por exemplo, moléculas de oxigênio, ozônio, metano, ou seja, toda a fotoquímica da habitabilidade que estiver presente no planeta analisado”.

Assista ao programa na íntegra

Você pode assistir abaixo, na íntegra, a edição do programa Olhar Espacial que contou com a presença do professor José Dias do Nascimento Júnior, além da entrevistadora convidada Lorrane Olivlet, astrônoma amadora, divulgadora científica e fundadora do grupo InSpace, que divulga a Astronomia nas redes sociais e incentiva principalmente o público jovem a participar de projetos e desafios científicos.

Apresentado por Marcelo Zurita, presidente da Associação Paraibana de Astronomia — APA; membro da SAB — Sociedade Astronômica Brasileira; diretor técnico da Bramon — Rede Brasileira de Observação de Meteoros — e coordenador regional (Nordeste) do Asteroid Day Brasil, o Olhar Espacial é transmitido ao vivo, todas às sextas-feiras, às 21h, pelos canais oficiais do veículo no YouTube, Facebook, Instagram, Twitter, LinkedIn e TikTok.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!