Tudo saiu conforme o planejado, e a Rocket Lab considera que a missão “There And Back Again” foi um sucesso. Na segunda-feira (2), a empresa enviou 34 satélites para órbita a bordo de seu foguete Electron de dois estágios, que decolou da base de lançamento na Nova Zelândia às 19h49, pelo horário de Brasília. Em seguida, o propulsor foi recuperado em plena queda por um helicóptero.

Rocket Lab faz captura de foguete com um helicóptero pela primeira vez em uma missão oficial, após uma série de testes com propulsores falsos. Imagem: Rocket Lab

Cerca de 15 minutos após a decolagem bem sucedida, o primeiro estágio do Electron retornou para a Terra sob um paraquedas. Enquanto o propulsor ia caindo suavemente em direção ao Oceano Pacífico, a uma velocidade de 10 m/s, um helicóptero Sikorsky S-92 se aproximou e pegou o cabo do paraquedas com um gancho. Veja o momento da captura no vídeo abaixo, compartilhado pelo Spaceflightnow via Twitter.

publicidade

Posteriormente, o helicóptero soltou o propulsor em um navio de recuperação, que conduziu o hardware de volta para terra firme para inspeção e análise.

“Nós pegamos com sucesso aquele propulsor Electron debaixo do paraquedas!”, comemorou a assessora sênior de comunicação da Rocket Lab, Murielle Baker, durante a transmissão online do lançamento.

Essa ação ousada faz parte do esforço da empresa para tornar reutilizáveis os primeiros estágios do foguete Electron, um feito que reduziria os custos e aumentaria a frequência de lançamento, segundo representantes da empresa.

Leia mais:

Foguetes reutilizáveis ganharam força graças à SpaceX, que geralmente usa mais de uma vez os primeiros estágios de seu foguete Falcon 9, assim como os do foguete Falcon Heavy, lançado três vezes até o momento.

Os primeiros estágios dos foguetes da SpaceX aterrissam verticalmente, queimando os motores para direcioná-los para pousos suaves em terra ou nas plataformas de navios drone no mar.

No entanto, como o Electron tem apenas 18 metros de altura, ele é muito pequeno para fazer o mesmo, já que os propulsores de primeiro estágio não podem transportar combustível o bastante para ter o suficiente para as operações de pouso. Então, a Rocket Lab optou pela estratégia de capturar com helicópteros.

A captura histórica desta segunda-feira foi precedida por alguns testes que utilizaram propulsores falsos. Em três missões oficiais recentes, a empresa recuperou os primeiros estágios após quedas no oceano.

Rocket Lab lança número recorde de satélites ao espaço

Em razão do mau tempo, a missão “There And Back Again”, que é o 26º voo de um foguete Electron e da Rocket Lab no geral, foi adiada diversas vezes, enquanto a empresa esperava pelas condições climáticas ideais na zona de captura, que fica a cerca de 275 quilômetros da costa da Nova Zelândia. 

Essa missão também representa um recorde de número de satélites enviados ao espaço pela empresa. Os 34 satélites foram fornecidos por uma variedade de clientes, entre eles a Alba Orbital, a Astrix Astronautics, a Aurora Propulsion Technologies, a E-Space, a Spaceflight Inc. e a Unseenlabs.

Segundo a Rocket Lab, todos eles foram implantados conforme o planejado em uma órbita síncrona do Sol, cerca de 520 quilômetros acima da Terra, durante uma hora após a decolagem. O número total de satélites lançados e implantados pelo Electron agora está em 146.

Além dos foguetes Electron, a empresa está desenvolvendo um lançador maior, chamado Neutron, que está programado para voar pela primeira vez em 2024. Ele foi projetado para ser parcialmente reutilizável desde o início, e seu primeiro estágio fará pousos alimentados, semelhantes aos dos foguetes Falcon 9.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!