Neste domingo (8), além da comemoração do Dia das Mães no Brasil, também é estipulado o Dia Internacional de Combate ao Câncer de Ovário. Este tipo de tumor, bastante agressivo, acomete mais de seis mil mulheres anualmente no Brasil.

Porém, o mais assusta é a taxa de mortalidade da doença, que é de cerca de 70%. E como o câncer de ovário não apresenta sintomas, o diagnóstico pode ser bastante complicado. No entanto, alguns hábitos podem facilitar o diagnóstico precoce, aliado importante para o tratamento.

publicidade

Exames de rotina

No Dia Mundial de Combate ao Câncer de Ovário, se estimula que as mulheres façam exames de rotina. Como se trata de uma doença que pode não ter sintomas no começo, a atenção aos menores sinais pode ser vital para um diagnóstico precoce.

Mulher conversa com sua ginecologista
O diagnóstico precoce só é possível em uma parte dos casos, porém, é importante sempre conversar com seu ginecologista e avisar sobre qualquer um dos sintomas. Crédito: Peakstock/Shutterstock

Quando aparecem, os principais sintomas são dor e inchaço na região abdominal, principalmente no chamado baixo-vente, náuseas, perda de apetite, sensação de prisão de ventre e um desbalanço intestinal, com diarreia e fadiga intestinal intercalados.

Caso uma pessoa apresente esses sintomas, deve procurar um médico imediatamente e conversar com um ginecologista para estabelecer o diagnóstico e o tratamento mais adequado. O câncer de ovário é a segunda neoplasia ginecológica mais comum, perdendo apenas para o câncer do colo do útero.

Principais causas

O câncer de ovário pode estar atrelado a uma série de fatores, sendo a idade o principal deles. As principais vítimas em potencial são as mulheres com 50 anos ou mais, sendo que a menopausa tardia aumenta as chances do desenvolvimento da doença.

Leia mais:

Outros fatores de risco para o câncer de ovário são mutações genéticas, histórico familiar e excesso de gordura corporal. O tratamento pode ser feito com diferentes abordagens, como a remoção cirúrgica do tumor e quimioterapia.

Via: CNN Brasil

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!