Veículos e Tecnologia

Charles Leclerc bate Ferrari histórica de Niki Lauda durante exibição em Mônaco; assista

Por Ronnie Mancuzo, editado por Acsa Gomes
16/05/22 10h01, atualizada em 17/05/22 15h15
O vídeo está sendo carregado - aguarde...

Durante uma demonstração no Grande Prêmio Histórico de Mônaco deste ano, realizado no último fim de semana, Charles Leclerc bateu a clássica Ferrari eternizada por Niki Lauda em 1974. O atual líder da edição 2022 da Fórmula 1 percorria a terceira volta na pista com o carro que marcou época nas mãos de um dos pilotos mais importantes da história da competição, quando acabou perdendo o controle em uma curva.

Em uma velocidade não muito alta, a Ferrari 312B3 acabou tendo sua asa traseira deslocada ao bater na barreira, no trecho La Rascasse. Abalado, Leclerc imediatamente apontou para um problema com os freios do carro.

Leia também:

“Perdi os freios. Perdi os freios! Eu freei, o pedal estava duro. Tive sorte de ser naquele momento, porque se eu estivesse em outro lugar, não seria bom”, disse o piloto de 24 anos nascido em Mônaco. Mesmo com a asa da Ferrari deslocada (no momento da batida, pedaços dela podem ser vistos arremessados pelo ar), Leclerc retomou a volta. Confira o vídeo compartilhado pelo canal Motor Racing Clips:

O azar de Leclerc

O carro danificado seria pilotado pela piloto alemã Claudia Hurtgen na classe para carros de GP construídos entre 1973 e 1976. Este é o segundo ano consecutivo em que a Ferrari avaliada em cerca de US$ 6 milhões (por volta de R$ 30 milhões hoje, 16) é batida em Mônaco. No ano passado, quem estava ao volante do carro era o ex-piloto da escuderia italiana Jean Alesi. O francês foi tocado na traseira pela Lotus 77 de Marco Werner, um tricampeão da Le Mans, e acabou indo ao muro.

Mais tarde, em seu perfil no Twitter, Leclerc também indicou uma espécie de “azar” em Mônaco. Em 2021, o piloto da Ferrari assumiu a pole no treino classificatório, mas bateu forte já no fim do circuito, interrompendo a programação – nenhum dos pilotos puderam ter sua última chance. Leclerc acabou não participando da corrida, que foi vencida por Verstappen.

“Quando você pensou que já tinha todo o azar do mundo em Mônaco e perdeu os freios em um rascasse com um dos carros históricos mais emblemáticos da Fórmula 1 da Ferrari”. Leclerc volta às pistas da competição no próximo final de semana, na Espanha, para novamente estar em Mônaco na semana seguinte.

O Grande Prêmio Histórico de Mônaco foi criado em 1997, por ocasião da comemoração dos 700 anos da Dinastia dos Príncipes de Mônaco, e ocorre a cada dois anos nas ruas de Monte Carlo. O evento reúne carros esportivos lendários que dominaram o cenário da Fórmula 1 nos anos 1970 e início dos anos 1980.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Deixe sua opinião
Tags