Após 13 anos do início das obras, a Elizabeth Line, primeira linha de metrô a ser construída em Londres desde 1979, está finalmente concluída. A inauguração se deu nesta terça-feira (24) em um evento com bastante aglomeração na capital britânica, que foi iluminada em roxo nos pontos turísticos por onde a linha passa. Entre eles, a London Eye (a roda gigante à beira do rio Tâmisa, que banha a cidade), a ponte de Westminster e a sede da prefeitura, próximo da Tower Bridge.

“A abertura da Elizabeth Line é um momento único em uma geração para a capital”, disse o prefeito Sadiq Khan, durante a inauguração. “É fantástico ver tantos marcos famosos em nossa cidade iluminados em roxo em comemoração a este dia histórico. A nova linha revolucionará as viagens em nossa cidade e através do sudeste [do país] e trará benefícios econômicos significativos para todo o país.”

De acordo com a Crossrail, empresa responsável por administrar a linha de metrô, a Elizabeth Line atenderá cerca de 250 milhões de passageiros por ano em Londres, estendendo-se por cerca de 100 km. A linha terá 41 paradas ao longo da rota — 10 delas recém-construídas e 30 reformadas.

A estação é inaugurada com mais de dois anos e meio de atraso, porque o trecho central da linha deveria ter sido concluído em dezembro de 2018. O custo do projeto também atingiu 18,9 bilhões de libras (em torno de R$ 115 bilhões, em conversão direta), cerca de 4 bilhões (R$ 24,7 bilhões) a mais do que era previsto no orçamento original.

A própria rainha Elizabeth II fez uma aparição durante a cerimônia de abertura da linha de metrô, na semana passada. Além de abrir a linha de forma simbólica, ela também aprendeu a adicionar dinheiro no Oyster card — o Bilhete Único deles — na estação de Paddington, uma das que integram a nova rota.

Proposta para criação da linha remonta ao século 19

A criação de uma linha de metrô que atravessa Londres de leste a oeste foi proposta pela primeira vez em 1830, mas demorou 200 anos para se concretizar. O plano da Elizabeth Line foi aprovado em julho de 2008 e as obras começaram no ano seguinte, quando começaram as primeiras obras de escavação na estação de Canary Wharf, uma das 41 paradas.

Oito máquinas de túneis, cada uma com mil toneladas, foram usadas para criar 42 km de tubos ferroviários abaixo de Londres, segundo a Crossrail. De acordo com a empresa, grupos de 20 trabalhadores se revezaram em turnos para instalar as rotas entre 2012 e 2015. A perfuração dos túneis foi concluída em junho de 2015 e a instalação do trilho em setembro de 2017.

Como na linha 4-amarela em São Paulo, os túneis são separados da plataforma por painéis de vidro que se abrem quando um vagão chega. Os trens também são climatizados — ao contrário da maioria do restante das linhas de metrô em Londres. Ao todo, Mais de 1.500 quilômetros de cabos fornecem ventilação, energia e iluminação à nova linha.

Como parte da linha, foram instalados mais de 63 mil dormentes e 51.419 metros de trilhos. Parte dos novos trens foram testados em Viena, na Áustria, sob condições climáticas extremas, variando de -25 ºC a 40 ºC, de acordo com a Crossrail. Os testes foram finalizados em 28 de março.

Crédito da imagem principal: Reprodução/Twitter/ORR

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!