Pro

Zuckerberg altera Facebook Pay para Meta Pay: foco é criar uma carteira digital para o metaverso

23/06/22 15h19, atualizada em 23/06/22 15h52

Com o objetivo de criar uma carteira digital para o metaverso, o CEO da Meta, Mark Zuckerberg, renomeou o Facebook Pay para Meta Pay. Apesar disso, os recursos atuais do produto e a experiência do usuário permanecerão os mesmos tanto no Facebook quanto no Instagram, passando pelo WhatsApp e Messenger. Por enquanto, a modificação foi lançada apenas nos EUA, mas brevemente será anunciada em escala global. 

Carteira digital para o metaverso   

Segundo Zuckerberg, embora o serviço permaneça o mesmo, a renomeação representa o primeiro passo da Meta para criar uma carteira digital para o metaverso. 

Ele diz que sua visão de uma carteira digital no metaverso permitirá que os usuários gerenciem com segurança suas identidades, o que possuem e como pagam.

“No futuro, haverá todos os tipos de itens digitais que você pode querer criar ou comprar – roupas digitais, arte, vídeos, música, experiências, eventos virtuais e muito mais”, disse Zuckerberg em um post no Facebook. 

“A prova de propriedade será importante, especialmente se você quiser levar alguns desses itens com você em diferentes serviços. Idealmente, você deve poder entrar em qualquer experiência do metaverso e tudo o que comprou deve estar lá.”

Zuckerberg observa que esse tipo de interoperabilidade proporcionará melhores experiências para as pessoas, além de trazer maiores oportunidades para os criadores, mesmo que seja a longo prazo. 

Meta Pay é o primeiro passo para a criação de uma carteira digital com foco no metaverso. Imagem: Divulgação/Nvidia

Leia mais:

Tudo muito novo

Os comentários do CEO chegam após o chefe de fintech da Meta, Stephane Kasriel, afirmar que a empresa ainda está nos planos iniciais para desenvolver uma carteira única. 

“Nosso caminho a seguir está fundamentado em nossa missão de capacitar todos, em todos os lugares, para acessar o sistema financeiro mundial para acelerar a inclusão financeira e o empoderamento econômico”, disse Kasriel em um post. 

“Projetar produtos e infraestrutura com o metaverso em mente hoje ajudará a facilitar a inovação que oferece maior acesso e economia real de custos – antes mesmo que o metaverso se torne mainstream. Agora é a hora de estabelecer os blocos de construção para o futuro. Porque uma vez que essa base esteja em vigor, o potencial do metaverso e para onde pode levar a fintech a seguir será ilimitado.”

A Meta faz pagamentos em 160 países e 55 moedas, incluindo pagamentos de pessoa para pessoa, empresa para empresa e empresa para consumidor.

Via: Techcrunch

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Deixe sua opinião
Tags