Os serviços de internet na Lituânia sofreram uma série de ataques DDoS (ataques de negação de serviço) nesta segunda-feira (27), informou o Centro Nacional de Cibersegurança do país.

De acordo com o governo, a enxurrada de ataques interrompeu partes da rede nacional de transferência de dados. O sistema é considerado um dos componentes essenciais do país para garantir sua segurança no ciberespaço, “construído para ser operacional durante crises e guerras”.

publicidade

“É altamente provável que ataques tão intensos ou até mais intensos continuem nos próximos dias”, disse Jonas Skardinskas, diretor interino do Centro Nacional de Segurança Cibernética, em nota.

Leia mais:

No Telegram, o grupo de hackers pró-Kremlin Killnet assumiu a autoria do ataque como retaliação ao recente embargo lituano ao transporte ferroviário de bens russos por seu território.

Desde o fim de março, a ex-república soviética, que apoia a Ucrânia no conflito contra a Rússia como membro da União Europeia e da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), bloqueia embarques ferroviários para Kaliningrado, exclave russo no Mar Báltico.

“Continuamos a sugerir inequivocamente às autoridades lituanas que retirem imediatamente sua decisão de proibir o tráfego de carga russa de Kaliningrado para a Rússia”, diz uma mensagem do grupo, que afirma ter bloqueado quatro sites de aeroportos no país. “Graças aos nossos ataques, eles ainda estão disponíveis apenas em endereços IP lituanos, e sua velocidade, para dizer o mínimo, deixando a desejar.”

O Núcleo Central de Telecomunicações da Lituânia também identificou os sites mais afetados em tempo real e conseguiu mitigar os ataques DDoS enquanto trabalhava em conjunto com provedores estrangeiros de internet.

A série de ataques indica a possibilidade de desfigurações de sites, ransomwares e outros ataques deste tipo nos próximos dias.

Fogo cruzado

Desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro, os hackings se proliferaram de ambos os lados. Em janeiro, por exemplo, hacktivistas da Bielorússia afirmaram ter infectado a rede do sistema ferroviário estatal com ransomware. Eles disseram que só forneceriam a chave de descriptografia caso o presidente Aleksandr Lukashenko suspendesse o apoio a Vladimir Putin contra um (à época possível) ataque contra a Ucrânia.

Enquanto isso, hackers que trabalham para a Rússia liberaram um malware de limpeza, o AcidRain, que sabotou milhares de modems de satélite usados por clientes da ViaSat na Ucrânia.

Via Ars Technica

Crédito da imagem principal: Ink Drop/Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!