A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu, na última sexta-feira (24), anular o processo Roe x Wade, precedente que era utilizado desde 1973 para garantir que mulheres norte-americanas tivessem o direito de realizar um aborto de maneira legal.  

Após o anuncio da decisão, diversas pessoas começaram a utilizar as redes sociais, como Instagram e Facebook, para oferecer pílulas abortivas legais. Porém, esses usuários notaram que as plataformas da Meta passaram a censurar essas publicações.  

publicidade

Leia também!

De acordo com algumas pessoas, as publicações chegaram a ser removidas em poucos segundos na própria sexta-feira. Em um dos casos, o usuário viu seu perfil ser suspenso temporariamente após a oferta do medicamento.  

Aparentemente, a palavra-chave para remoção é “pílulas de aborto”, já que postagens com outras combinações de termos não foram sinalizadas e nem bloqueadas pelas plataformas.  

Respondendo um usuário no Twitter, o diretor de comunicações da Meta, Andy Stone, revelou que é proibido “comprar, vender, trocar, presentear, solicitar ou doar produtos farmacêuticos” nas redes sociais da empresa.  

Stone pontuou que o debate sobre acessibilidade de medicamentos prescritos é completamente permitido e que foram encontrados alguns casos de remoção incorreta de publicações e eles serão corrigidos.  

O Instagram, por sua vez, publicou em seu perfil no Twitter que está passando por um problema que está causando a remoção inadequada de conteúdos, apresentando as “telas de sensibilidade”.  

Um porta-voz da plataforma, afirmou ao portal TechCrunch, que o problema não está afetando apenas publicações que falem sobre pílulas abortivas, que posts com outras temáticas também estão sendo censurados de maneira errada.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!