Ciência e Espaço

“Berço da Humanidade” tem fósseis bem antigos do que achávamos

Por Rafael Arbulu, editado por Lucas Soares
01/07/22 12h47, atualizada em 01/07/22 15h07

Imagem: Danny Ye/Shutterstock

Os fósseis encontrados nas Cavernas de Sterkfontein, na África do Sul, são bem mais antigos do que se pensava anteriormente, com um novo estudo datando o material do Patrimônio Mundial da UNESCO como tendo um milhão de anos a mais do que a idade marcada em pesquisas anteriores.

As Cavernas de Sterkfontein são comumente referidas pelo seu nome mais conhecido: “O Berço da Humanidade”. O sítio arqueológico começou a ser escavado no final do século XIX, quando mineradores encontraram vários fósseis hominídeos antigos e os levaram para a apreciação de cientistas especializados. Desde então, a região de aproximados 47 mil hectares (ha) tem nos trazido amplas descobertas sobre vários de nossos precursores.

Leia também

Fóssil do “Pé Pequeno”, um esqueleto hominídeo quase completo escavado das Cavernas de Sterkfontein (Imagem: UNESC)/Reprodução)

“Nossas datas demonstram as limitações do senso comum aceito de que o Australopithecus africanus, o qual é amplamente representado em Sterkfontein, descende do Australopithecus afarensis. A contemporaneidade das duas espécies sugere que uma árvore genealógica mais completa prevaleceu mais cedo no processo evolucionário humano”, diz trecho do estudo publicado.

Em outras palavras: antes, pensava-se que o A. africanus era descendente do A. afarensis. O estudo, no entanto, comprova que as duas espécies viveram mais ou menos na mesma época, a algo entre 3,4 e 3,6 milhões de anos.

A descoberta é de grande relevância pois, antes da publicação do estudo, o consenso científico dizia que o leste africano era a provável origem dos hominídeos que eventualmente evoluíram para o gênero Homo ao qual nós, humanos contemporâneos, pertencemos (nós estamos no subgrupo Homo sapiens sapiens, descendentes do Homo sapiens original).

De acordo com Darryl Granger, autor do estudo e pesquisador antropólogo, as Cavernas de Sterkfontein têm mais exemplares de fósseis Australopithecus que em qualquer outro lugar no mundo, “mas é difícil estabelecer uma data firme para eles. Esses fósseis, na verdade, são velhos – muito mais velhos do que pensávamos”, ele, que é professor de ciências antropólogas na Universidade Purdue, comentou.

Como método, o time comandado pelo acadêmico analisou o decaimento radioativo das rochas soterradas na mesma época dos fósseis, ao contrário de cálculos estimados anteriormente, que se baseavam em depósitos de calcita.

A conclusão é a de que os hominídeos sul-africanos eram contemporâneos próximos daqueles no leste da África, e tiveram tempo para evoluir para o gênero Homo que conhecemos hoje. Anteriormente, a noção prevalecente era a de que o material sul-africano era “jovem demais” para isso.

“Esse novo e importante trabalho de estabelecimento de datas altera a era especulada de alguns dos fósseis mais interessantes na pesquisa da evolução humana, e também de um dos fósseis mais icônicos da África do Sul, a chamada ‘Senhorita Ples’, em pelo menos um milhão de anos para quando, no leste da África, nós estávamos encontrando outros hominídeos precursores, como a ‘Lucy’”, disse Dominic Stratford, diretor de pesquisa nas cavernas e co-autor do paper.

O estudo completo foi publicado e revisado pelo jornal científico Proceedings of the National Academy of Sciences.

Imagem destacada: crânio da “Srta. Ples”, por Danny Ye, via Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe sua opinião
Tags