Com a desaceleração econômica no setor de tecnologia, o Facebook passou a orientar seus gerentes de engenharia a identificar e demitir funcionários com baixo desempenho.

Em memorando enviado na última sexta-feira (8), o diretor de engenharia Maher Saba solicitou aos gerentes a identificação e a delação de pessoas “com necessidade de apoio” ao sistema interno de recursos humanos.

publicidade

“Se um subordinado direto está vagando ou tem baixo desempenho, eles não são quem nós precisamos. Eles estão falhando com essa empresa. Como gerente, você não pode permitir que alguém seja neutro ou negativo para a Meta”, diz um trecho do memorando.

Segundo o Washington Post, muitos funcionários do Facebook se chocaram com o memorando, preocupados com possíveis demissões, bônus reduzidos e menos promoções.

“Isso será usado para criar ‘planos de melhoria de desempenho’, o que resultará em demissões em massa”, diz uma fonte anônima familiarizada com o assunto, em entrevista à publicação americana.

No cerne da ameaça corporativa, reside uma provável política de corte de custos no Facebook, que tem visto suas arrecadações com publicidade digital despencarem desde o início deste ano.

Boa parte do problema se deve às recentes mudanças de privacidade na Apple, que impactou não apenas no modelo de negócios do Facebook como Twitter e Snapchat. A Meta não comentou o tema.

Leia mais:

Queda de usuários preocupa executivos do Facebook

No último trimestre de 2021, pela primeira vez em 18 anos, o Facebook perdeu usuários ativos diários. O número estabilizou no início deste ano, mas os executivos da empresa ainda se mantêm inquietos em relação à crescente concorrência de plataformas como o TikTok.

Daí o investimento massivo no Reels, a plataforma de vídeos curtos da Meta. Tanto que, em breve, o produto será aberto à monetização da mesma forma como já é possível com publicações no feed de notícias.

O Facebook também aposta na popularização do metaverso — um termo usado para descrever ambientes virtuais imersivos que são acessados por realidade virtual e aumentada.

Com informações do Washington Post e The Information

*Crédito da imagem principal: Rokas Tenys/Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!