Maior marketplace de NFTs no mundo, a OpenSea demitiu pelo menos 20% do seu quadro de funcionários na quinta-feira (14). A notícia foi dada pelo diretor executivo Devin Finzer, que não chegou a revelar o número exato de pessoas cortadas.

“A realidade é que entramos em uma combinação sem precedentes de inverno cripto e ampla instabilidade macroeconômica, e precisamos preparar a empresa para a possibilidade de uma desaceleração prolongada”, disse o diretor-executivo, em nota divulgada no Twitter.

publicidade

Segundo Finzer, a empresa notificou pessoalmente os funcionários afetados antes de anunciar as demissões. Garantiu ainda o fornecimento de seguro-desemprego, indenizações “generosas” e assistência médica pelo resto do ano.

Finzer afirmou que as mudanças dão à empresa uma sobrevida de cinco anos, caso o “inverno cripto” siga nos próximos meses.

Um artigo publicado pela revista americana Forbes afirma que a OpenSea, em janeiro, tinha em torno de 70 pessoas contratadas. Informações do site The Verge, no entanto, mencionam quadro de 230 funcionários — já com os 20% de demitidos fora da equação.

Leia mais:

Além da queda das criptomoedas

Em fevereiro, a OpenSea era considerada o marketplace dominante na venda de NFTs, pagando comissão de 2,5% nas transações. Àquela altura, a empresa recebera US$ 300 milhões de financiamento (em torno de R$ 1,6 bilhão), com valor de mercado calculado em US$ 13,3 bilhões (R$ 72 bilhões).

Conforme o preço das criptomoedas entrou em colapso, a OpenSea passou a sofrer abrupta queda no volume de negociações. Além disso, a entrada de concorrentes como a LooksRare e a Coinbase, que lançou um mercado de NFTs no início deste ano, tornou a operação mais complicada.

No campo da segurança, a companhia sofreu um ataque de phishing em fevereiro que roubou da plataforma em torno de US$ 1,7 milhão. Já semanas atrás, um funcionário da fornecedora de e-mails Customer.io usou indevidamente o acesso interno do marketplace e expôs uma série de e-mails de usuários da OpenSea, aumentando o risco de ataques de phishing.

Com informações do The Verge
*Crédito da imagem principal: FellowNeko/Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!