Uma das maiores dúvidas para quem está com tosse, coriza ou dores de garganta é se os sintomas são a causa de uma gripe comum ou da Covid-19 – isso sem falar da famigerada rinite alérgica.  

De acordo com reportagem da BBC News Mundo, ambas as doenças merecem atenção, mesmo estando com a vacinação em dia. Embora apenas um teste possa dar a certeza do tipo de vírus que está causando a condição, segundo especialistas, se você está atualmente sofrendo com algum dos sintomas mencionados (e outros, como dor de cabeça, cansaço, perda de olfato, etc.), é mais provável que você esteja com o coronavírus – levando em consideração a pandemia e o aumento de casos. 

publicidade
Testagem Covid-19
Covid ou gripe: como diferenciar as doenças? Testagem Covid-19. Imagem: Noiel/Shutterstock

“A Covid pode ter todos os tipos de sintomas. Pode variar desde não apresentar nenhum sintoma até apresentar alguns muito semelhantes aos da gripe”, explicou Salvador Peiró, médico especialista em saúde pública e pesquisador em farmacoepidemiologia da Fisabio, ao portal. 

“Neste momento, vemos mais tosse seca e menos problemas de anosmia (perda do olfato), embora também haja casos. Da mesma forma, pode causar desde muco no nariz e algo mais parecido com um resfriado muito forte com febre, muita fraqueza, mal-estar em geral, cansaço e dor de cabeça. Varia muito de pessoa para pessoa”, acrescentou. 

publicidade

Leia mais!

Ainda segundo o especialista, a Covid desenvolve um quadro típico de vírus respiratórios que, às vezes, possuem particularidades como a perda de olfato ou paladar. Porém, atualmente os sintomas estão presentes apenas entre 20 e 25% dos casos – possivelmente devido as vacinas – o que, de fato, dificulta ainda mais a distinção. 

publicidade

“(A covid) é indistinguível de qualquer outro quadro de vírus respiratório. Na verdade, se não fossem feitos os testes de antígeno ou PCR, não saberíamos de que vírus se trata. Em alguns casos, há diarreia, que às vezes também aparece na gripe. Mas, em geral, neste momento, se houver um quadro respiratório, o mais lógico é pensar que se trata de Covid.” 

Quique Bassat, epidemiologista e pesquisador do Icrea (instituto catalão de pesquisas avançadas) do Instituto de Saúde Global de Barcelona, concorda com Peiró, e adicionou que, antes, com o medo e pressão por saber se era Covid, as pessoas realizavam mais testes.

publicidade
gripe
Covid ou gripe: como diferenciar as doenças? Imagem: Desx (Pixabay)

“Os quadros leves não têm um diagnóstico fácil. Os sintomas são muito inespecíficos. Só se você fizer um teste, para conseguir identificar. Antes era muito fácil porque era quase obrigatório fazer um teste. Todo mundo estava ansioso para saber se havia sido infectado, por medo de ter uma doença grave, o que o motivava a buscar a confirmação diagnóstica. Agora, não há pressão política ou social para fazê-lo, ou pessoal, porque você não se importa se é gripe ou covid, se não corre risco de morrer”, disse Bassat. 

O pesquisador afirmou ainda que, na verdade, o que continua distinguindo a Covid de outros vírus respiratórios é a taxa de contágio, já que a doença infecta muito mais pessoas e de forma bem mais rápida. 

Ambas são perigosas para os vulneráveis 

Peiró também lembrou que assim como a Covid a gripe também pode ser perigosa para pessoas mais vulneráveis. “A gripe é um medidor muito variável. Temos anos de gripe mais ‘calmos’ que causam, por exemplo, 4.000 ou 5.000 mortes na Espanha. Mas também temos anos ‘ruins’, com 15 mil ou 20 mil mortes”, explicou. 

O especialista destacou que a gripe não é inofensiva, por mais que às vezes pensemos que sim. 

“A gripe mata os vulneráveis, não mata as pessoas saudáveis. A gripe é essencialmente um problema dos doentes crônicos e dos maiores de 65 anos. Por isso, essas populações são vacinadas.”

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!