O sinal 5G foi liberado nesta sexta-feira (29) em Porto Alegre, João Pessoa e Belo Horizonte, capitais do Rio Grande do Sul, Paraíba e Minas Gerais, respectivamente. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deu aval na última quarta-feira (27) para que as operadoras de telefonia transmitam o sinal da nova rede móvel.

Com isso, as três cidades se juntam a Brasília, a primeira cidade a transmitir o sinal 5G de frequência 3,5GHz, desde 6 de julho. De acordo com a Anatel, as empresas prestadoras de telefonia têm até 25 de setembro para cumprir a primeira fase do edital: a instalação de uma antena 5G para até 100 mil habitantes nas capitais brasileiras. 

publicidade

Leia mais:

As regras definidas pela agência determinam o adensamento da cobertura nas capitais até julho de 2025, devendo a nova tecnologia estar presente em todos os municípios até 2029. “O 5G já é uma realidade para aqueles que possuem um smartphone que permita a conexão na quinta geração”, disse Márcio Fabbris, vice-presidente de Marketing e Vendas da Vivo.

“De forma geral, a rede 5G traz benefícios imediatos aos consumidores a partir de uma internet móvel de ultravelocidade, abrindo espaço para as empresas criarem serviços e experiências imersivas, com o uso mais frequente e eficiente de tecnologias de realidade virtual e inteligência artificial. Com a infraestrutura 5G em sua máxima potência, abrimos um mundo de possibilidades para clientes e sociedade em geral”, emendou.

Primeira antena 5G brasileira em área rural
Goiânia, Curitiba, Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo devem ser as próximas cidades a receber o sinal 5G. Imagem: Guilherme Martimon/Mapa

Com a liberação do sinal, a Vivo anunciou que já está com a infraestrutura pronta para transmitir o sinal nas três cidades a partir de hoje. A empresa afirma que as milhares de antenas que a operadora tem nas cidades irá garantir estabilidade no novo sinal, por possuir um dos maiores backbones no país. 

Como funciona o 5G?

As redes 5G funcionam via radiofrequência, da mesma forma que as gerações anteriores. Assim, o que muda da tecnologia nova para as antigas é, basicamente, o espectro coberto que, no caso do 5G, é expressivamente maior. Até por isso que será possível uma maior velocidade, com menor latência e maior cobertura.

Por aqui, os planos do 5G englobam, a partir de 2022, o funcionamento da tecnologia de forma híbrida: uma mistura entre 4G e 5G standalone (que não depende da tecnologia 4G).

Imagem: Marko Aliaksandr/ Shutterstock

Com informações da Agência Brasil

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!