Segundo informações divulgadas por Alex Heath, editor do The Verge, Elon Musk estaria demitindo engenheiros com função “crítica” na rede social, o que poderia ameaçar a continuidade da empresa.

“Você não pode tocar o Twitter sem esta equipe”, disse um engenheiro da equipe ao jornalista. Além disso, o Twitter desativou o acesso por crachá a seus escritórios.

publicidade

Leia mais:

publicidade

Nesta quinta-feira (17), foi um Dia D no Twitter. Musk havia definido a data como limite para que os funcionários aceitassem condições mais rígidas de trabalho, algo rejeitado pela maioria, que pediu demissão. O The Verge contabilizou centenas.

Na plataforma interna para comunicação, Slack, muitos se despedem entre sim, além de seguirem tecendo críticas ao novo CEO da empresa. Em resposta ao ocorrido, o Twitter fechou seu escritório em San Francisco até segunda-feira (21), segundo informações de Zoë Schiffer, do Platformer. Musk ainda acabou com o sistema home office no mundo todo.

publicidade

Oficialmente, não se sabe quantos foram demitidos nesta quinta-feira (17), mas, caso Elon Musk esteja mesmo demitindo funcionários de extrema importância, como os engenheiros considerados vitais, o Twitter pode mesmo estar prestes a quebrar e, talvez, deixar de existir.

Com informações de Terra e The Verge

publicidade

Senador americano ameaça Elon Musk: ‘Corrija suas empresas. Ou o Congresso o fará’

Além de deixar diversos usuários Twitter bravos e insatisfeitos, Elon Musk conseguiu deixar o senador Ed Markey furioso. Tão bravo a ponto dele supostamente ter enviado uma carta a Musk, que pedia que o bilionário explicasse como o Washington Post conseguiu criar uma conta verificada se passando por ele e por que um pop-up oficial disse aos usuários da rede social que a verificação se devia a um papel no governo, além de criticar a nova assinatura mensal do Twitter Blue de US$ 8.

Saiba mais aqui.

Imagem destacada: Reprodução/Twitter/Estadão

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!