A Neuralink, empresa cofundada por Elon Musk e conhecida por seus implantes cerebrais, passou a ser investigada nos EUA por supostas violações aos direitos dos animais ocorridas a partir de testes que os levaram a mortes desnecessárias, segundo a Reuters noticiou nesta segunda-feira (5).

A investigação foi aberta pelo Inspetor Geral do Departamento de Agricultura estadunidense, focado na Lei de Bem-Estar Animal, que indica como os pesquisadores podem conduzir tratamentos e testes em animais, ainda segundo a Reuters.

publicidade

Leia mais:

De acordo com a agência de notícias e com fontes internas da Neuralink, o objetivo de Musk de acelerar o desenvolvimento da empresa e de seus produtos teria causado danos desnecessários a animais e experimentos descuidados, resultando no aumento de animais de teste mortos.

publicidade

A Neuralink matou 1,5 mil animais desde 2018, de acordo com a Reuters. Não há uma estimativa precisa acerca das mortes, mas imagina-se que foram mais de 280 ovelhas, porcos e macacos.

A grande maioria de animais mortos, contudo, foram ratos e camundongos, animais mais utilizados em testes no mundo todo. De acordo com a Sociedade Americana para a Prevenção de Crueldade com os Animais, 800 mil animais são “assassinados” para fins de estudos por ano nos EUA.

publicidade

Quem também acusou a Neuralink foi o Comitê de Médicos pela Medicina Responsável, que afirmou que a companhia vem “mutilando” macacos na busca por uma interface cérebro-máquina.

publicidade
Há quatro dias, Neuralink postou vídeo no YouTube mostrando o dia a dia de seus animais de teste (Imagem: Reprodução/YouTube)

Em fevereiro deste ano, a Neuralink respondeu as acusações detalhando seu “Compromisso com o Bem-Estar Animal” em seu site. Lá, explicou que a pesquisa foi conduzida em porcos e macacos e revelou detalhes sobre suas futuras práticas.

A companhia disse ainda que que seis animais passaram por eutanásia após aviso de veterinários. As razões, contudo, variaram. Um animal teria tido complicações cirúrgicas relacionadas ao uso do adesivo biológico BioGlue, outro, com o chip cerebral em si, além de quatro animais que sofreram infecções por conta do chip, sofrendo eutanásia.

Neuralink já pode testar chips em humanos?

Durante conferência em 30 de novembro, Musk disse que a companhia poderia iniciar testes dos chips cerebrais em humanos nos próximos seis meses. Para isso, a Neuralink precisaria receber aprovação do serviço de medicina da FDA (órgão dos EUA similar à Anvisa no Brasil) para poder dar início aos testes.

Até o momento, a Neuralink não respondeu a Reuters sobre o assunto.

Musk, atual CEO, fundou a Neuralink em 2016 com a intenção de criar tecnologia que conectasse o cérebro humano a computadores. Entre os protótips criados pela empresa, estão chips implantáveis que visam ajudar deficientes visuais a voltarem a enxergar e a paraplégicos a andarem novamente.

Com informações de CNET

Imagem destacada: T. Schneider/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!