Uma cápsula radioativa desapareceu na Austrália e colocou as autoridades em uma busca urgente pelo objeto perdido. O sumiço foi relatado durante o transporte há 14 dias.

A cápsula é composta de prata e contém Césio-137 em seu interior. A substância é super radioativa e é comumente usada em atividades de mineração.

O objeto possui 6 mm por 8 mm e foi perdido desde meados de janeiro Acredita-se que a cápsula tenha caído no transporte entre a cidade de Newman e os subúrbios do norte de Perth, no estado da Austrália Ocidental, uma distância de cerca de 1400 quilómetros.

Comparação da capsula de Cesio-137 perdida com uma moeda de 10 cents. (Credito: DFES)

Perigos do Cesio-137

As autoridades e serviços de emergência da região emitiram alertas para que a população não manuseie a cápsula caso a encontrem e que notifiquem imediatamente aos órgãos responsáveis.

publicidade

O Césio-137 em contato com pode causar queimaduras de radioatividade e a longo prazo até outras doenças, como o câncer.

Segundo Andrew Robertson, diretor de saúde da Austrália Ocidental, em resposta à AFP em pessoas desavisadas a cápsula pode causar sérios danos. “A preocupação é que alguém pegue sem saber com o que está lidando. Alguém pode achar que é algo interessante e guardar – no quarto, no carro – ou mesmo dar para outra pessoa”, aponta ele.

A empresa notificou a perda da cápsula apenas na quarta-feira (25), que percebeu o desaparecimento. O corpo de bombeiro tem dado preferência em realizar buscas em locais povoados e pode durar semanas até que ela seja encontrada.

Leia mais:

Acidente radioativo no Brasil

O Césio-137 foi o responsável por um dos maiores desastres nucleares do mundo e que aconteceu em Goiânia, aqui no Brasil. 

Uma clínica descartou inadequadamente um aparelho de radioterapia contendo o material em 1987. Dois catadores de lixo encontraram o “pó brilhante” e o venderam a um ferro velho.

Cerca de 249 pessoas, incluindo crianças, que não possuíam conhecimento sobre o Césio-137 e sua radioatividade tiveram contato com o material. Muitas delas morreram algum tempo depois.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!