Na última sexta-feira (27), a NASA divulgou resultados de mais uma avaliação dos dados coletados sobre o foguete Space Launch System (SLS) durante o lançamento da missão Artemis 1, ocorrido em 16 de novembro do ano passado. Esse voo marca o início da nova era da exploração da Lua e do espaço profundo pela agência.

Ilustração mostra o SLS e a nave Orion, da Nasa, em voo
Representação artística do lançamento do foguete Space Launch System (SLS), da NASA, com a cápsula Orion no topo. Imagem: Nasa/Divulgação

Após uma análise e uma revisão inicial de dados, que determinou que o SLS atendeu ou superou todas as expectativas de desempenho, os engenheiros estão agora examinando mais de perto a performance do veículo para se preparar para as primeiras missões tripuladas.

publicidade

Com base na avaliação realizada logo após o lançamento, os dados preliminares pós-voo indicam que todos os sistemas SLS tiveram um comportamento excepcional e que os projetos estão prontos para suportar um voo tripulado na missão Artemis 2. Segundo a NASA, a equipe de análise pós-voo continuará revisando os dados e conduzindo os relatórios finais.

“O foguete lançou as bases para a geração Artemis e o futuro dos voos espaciais no espaço profundo”, disse John Honeycutt, gerente do Programa SLS, no comunicado emitido pela agência. “A correlação entre o desempenho real do voo e o desempenho previsto para a missão Artemis 1 foi excelente. Há engenharia e uma arte para construir e lançar com sucesso um foguete, e a análise sobre o voo inaugural do SLS coloca a NASA e seus parceiros em uma boa posição para alimentar missões como a Artemis 2 e outras”.

publicidade

Antes do lançamento, as equipes estabeleceram pontos de referência para o desempenho do foguete por meio de uma série de simulações pré-voo e campanhas de teste. 

Mais de 30 TB de dados do voo Artemis 1

Quando foi lançado ao espaço, o veículo experimentou fases dinâmicas, como forças e temperaturas extremas, que influenciaram suas operações. O voo teste Artemis 1 foi a única maneira de coletar dados reais sobre o desempenho do foguete durante eventos como a separação do propulsor.

publicidade

Profissionais do Centro de Engenharia e Suporte do SLS no Centro de Voo Espacial Marshall em Huntsville, no Alabama, coletaram mais de quatro terabytes de dados e imagens a bordo do SLS durante as fases de pré-lançamento e lançamento. 

Visão da separação dos estágios do foguete SLS sob a ótica do veículo. Imagem: NASA

Além disso, um total de aproximadamente 31 terabytes de dados de imagens únicas foram coletados de câmeras terrestres, câmeras no foguete e câmeras aéreas que foram focadas no SLS. 

publicidade

“Os dados que recebemos de volta do voo Artemis 1 são fundamentais para construir confiança neste foguete para enviar a humanidade de volta à Lua”, disse John Blevins, engenheiro-chefe do SLS. “A equipe do SLS usará o que aprendemos com este teste de voo para melhorar os futuros voos do foguete, e já estamos pegando o que aprendemos sobre operações e montagem e aplicando-o para agilizar futuras missões”.

Observação do voo sob o ponto de vista do próprio foguete

Câmeras e sensores também permitiram que as equipes monitorassem o desempenho do foguete durante suas manobras no espaço. Ver o lançamento pela “ótica” do SLS envolveu o posicionamento estratégico de câmeras, sensores e outras ferramentas de medição ao longo do foguete, do lançador móvel e da plataforma de lançamento.

“As inúmeras vistas do foguete, incluindo a separação do propulsor sólido e a separação intermediária do estágio de propulsão criogênica (ICPS), forneceram dados de imagens que nos ajudaram a avaliar como o SLS se comportou desde a decolagem até os eventos de subida e separação”, disse Beth St. Peter, líder de integração de imagens do SLS.

Os engenheiros também monitoraram as temperaturas extremas e os sons que o foguete experimentou logo após a decolagem. Os dados pós-voo do SLS mostraram que as válvulas de controle de empuxo e relação de mistura dos motores RS-25 estavam dentro de 0,5% dos valores previstos. 

Outras pressões e temperaturas internas importantes do motor estavam dentro de 2% dos valores previstos antes do lançamento.

Leia mais:

Em voo, o estágio central do SLS executou com sucesso todas as suas funções e inseriu o  ICPS e a cápsula Orion em uma órbita inicial da Terra de 1.564 km por 26 km. A inserção estava a apenas 4,6 km do alvo perfeito de 1.568,6 km por 26 km e bem dentro dos parâmetros aceitáveis. 

Após uma queima de injeção translunar quase perfeita, a ICPS e a Orion se separaram com sucesso – permitindo que a espaçonave completasse uma missão de 25,5 dias.

Com o programa Artemis, a NASA pousará a primeira mulher e a primeira pessoa preta na superfície da Lua, além de abrir caminho para uma presença lunar de longo prazo e servir como um trampolim para os astronautas a caminho de Marte.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!