Os militares dos EUA gastaram pelo menos US$ 1,5 milhão para abater três objetos no ar, que agora acreditam serem provavelmente balões recreativos, disseram autoridades de defesa na quarta-feira (21).

Esse número é apenas para os quatro mísseis AIM-9X Sidewinder usados para derrubar os objetos sobre o Alasca, o território canadense de Yukon e o Lago Huron.

publicidade

Leia mais:

Esse valor não inclui o custo da Marinha, Guarda Costeira, Guarda Nacional do Alasca e forças canadenses para procurar os destroços, o que provavelmente adicionará centenas de milhares de dólares ao custo, disseram as autoridades.

publicidade

Os EUA anunciaram nesta sexta-feira (23) que suspenderam a busca pelos destroços dos três objetos abatidos. Os EUA erraram seu primeiro tiro em 12 de fevereiro no objeto voando sobre o Lago Huron e usaram um segundo Sidewinder para derrubá-lo. Cada míssil custou pelo menos US$ 400 mil, disseram autoridades de defesa.

Os voos usados para localizar os balões e, eventualmente, derrubá-los, não fazem parte das estimativas de custo, pois os militares dos EUA consideram os voos parte do treinamento de seus pilotos e já orçaram essas horas de voo, disseram as autoridades de defesa.

publicidade

Agentes do FBI entrevistaram pessoas afiliadas a grupos de hobby de balões e outros enquanto tentam avaliar a quem pertenciam os objetos, de acordo com fontes próximas, mas ainda não fizeram conclusões formais sobre a questão.

O governo Biden, por sua vez, disse que sua avaliação atual é de que os objetos provavelmente não representam ameaça iminente à segurança dos EUA. Na semana passada, Biden disse que “a avaliação atual da comunidade de inteligência é que esses três objetos provavelmente eram balões ligados a empresas privadas, recreação ou instituições de pesquisa que estudam o clima ou conduzem outras pesquisas científicas”.

publicidade

A porta-voz do Pentágono, Sabrina Singh, disse na semana passada que os EUA não acreditavam que os três objetos pertencessem a uma “entidade estrangeira”. O Comando Norte dos EUA, responsável pelas operações militares dos EUA na América do Norte, defendeu o manuseio dos objetos, argumentando que eles poderiam ter ameaçado o tráfego aéreo comercial porque estavam entre 20 mil e 40 mil pés.

Todos os dias, o Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte [Norad] vigia os céus da América do Norte. Fazemos isso usando radares e aeronaves para detectar, rastrear, identificar e avaliar ameaças potenciais de acordo com os procedimentos padrão do Norad. As capacidades usadas para conduzir operações dirigidas pelo presidente em 10, 11 e 12 de fevereiro incluíam as forças existentes do Norad e recursos adicionais aprovados pelo Secretário de Defesa.

Coronel da Força Aérea Elizabeth Mathias, porta-voz do Norad e do Comando Norte dos EUA

A preocupação com objetos de grande altitude começou no início deste mês, quando os EUA rastrearam o que acreditavam ser um suposto balão de vigilância chinês sobre a América do Norte, derrubando-o com outro míssil Sidewinder quando se dirigia para o oceano nas Carolinas.

Posteriormente, os EUA começaram a analisar dados brutos de radar, o que os levou a localizar os três objetos que mais tarde foram abatidos sobre o Alasca, Canadá e Lago Huron, levando o presidente a criar força-tarefa interagências para examinar as questões políticas em torno dos balões e dos OVNIs.

Na quarta-feira (21), o Pentágono divulgou as primeiras fotos tiradas por pilotos do suposto balão chinês que sobrevoou os Estados Unidos. A foto, tirada em 3 de fevereiro, mostra grande esfera branca com carga abaixo dela.

Um caça a jato F-22 abateu o suposto balão chinês no dia seguinte. Não foi possível determinar se os EUA divulgarão as fotos que os pilotos tiraram dos três objetos desconhecidos.

Os militares dos EUA disseram que estão analisando os destroços recuperados do balão. Na semana passada, Wang Yi, o mais alto funcionário de política externa da China, usou discurso na Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, para criticar a reação “quase histérica” de Washington ao aparecimento de seu balão sobre o território dos EUA.

Os EUA ainda estão analisando dados brutos de radar e não detectaram objetos adicionais desde 12 de fevereiro, disseram autoridades de defesa. Biden disse que pediu à força-tarefa que fornecesse ao seu governo diretrizes sobre como proceder nesses tipos de casos no futuro.

Ele disse que compartilharia com o Congresso “esses parâmetros políticos confidenciais quando forem concluídos e permanecerão confidenciais para que não demos nosso roteiro a nossos inimigos para tentar escapar de nossas defesas”.

Via The Wall Street Journal

Imagem destacada: Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!