Eman Al-Adawi, moradora de Gizé, no Egito, é uma das poucas mulheres a conseguir se locomover no país sobre as duas rodas de uma scooter, veículo popular e barato na região. Considerando a escassez de profissionais femininas, a motorista planeja lançar um aplicativo só para elas, com intuito de proporcionar mais segurança e conforto. 

  • O Egito é um país bem conservador, por isso poucas mulheres dirigem scooters; 
  • E muitas acabam se sentindo desconfortáveis em contratar homens para suas corridas; 
  • Al-Adawi começou a ajudar o público feminino nas viagens de maneira mais informal, para compor sua renda, mas agora planeja abrir um negócio. 

Leia mais! 

publicidade

Aprendi a dirigir a scooter com facilidade porque costumava andar de bicicleta, então aprendi a me equilibrar. 

disse ela à Reuters.

Após constatar o sucesso nas curtas viagens em apenas alguns meses de trabalho, a motorista egípcia decidiu abrir uma empresa baseada em aplicativos de transporte, no entanto, com uma equipe totalmente de mulheres, incluindo instrutores e mecânicos. 

Mulheres provocam quase 3 vezes menos acidentes que os homens
Imagem: Dragana Gordic/Shutterstock

A ideia é se livrar do assédio, dando opções confortáveis para o grupo feminino (seja usando o app ou trabalhando com ele), além de enfrentar a desvalorização da libra egípcia que afetou as condições econômicas do país. 

publicidade

Dia Internacional das Mulheres 

Nesta quarta-feira (8) é celebrado o Dia da Mulher. A data é usada para exaltar o empoderamento feminino, mas foi estabelecida principalmente para reforçar pautas como feminicídio, igualdade de gênero, machismo, entre tantas outras, todas relacionadas. 

Há várias teorias sobre sua origem, a mais aceita, no entanto, é a de que o movimento começou a ser reconhecido em 1910, após uma conferência na Dinamarca que pedia por direitos igualitários entre homens e mulheres.  

publicidade

A ideia foi ainda mais consolidada após o histórico incêndio de 25 de março na fábrica Triangle Shirtwaist Company, em Nova York, no ano de 1911 — a empresa têxtil pegou fogo, matando 23 homens e 129 mulheres. Elas já alertavam para a possibilidade de incêndio e pediam por mais segurança no trabalho há pelo menos dois anos. Março passou então a ser usado para a conscientização do desastre. 

Imagem: shutterstock

Outro importante evento que reforçou e definiu o dia 8 ocorreu em 1917, no estopim da Revolução Russa, quando mais de 90 mil mulheres foram às ruas protestar também por condições melhores de trabalho e de vida, uma vez que tinham longas jornadas de trabalho, recebiam muito menos que os homens e não tinham direito ao voto.   

publicidade

Vale pontuar que, de acordo com a Exame, o Dia Internacional da Mulher só foi oficializado em 1975, mais de 60 anos após sua criação, em uma assembleia da Organização das Nações Unidas (ONU). A data é uma das poucas que não tem relação com o comércio. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!