A Prefeitura de São Paulo irá começar a aplicar a vacina bivalente contra a covid-19 em adultos com mais de 18 anos a partir deste sábado (6). Embora todos com a faixa etária ou mais tenham sido liberados para receber o imunizante desde abril, o município ainda não tinha vacinas suficientes para essa população. 

  • A cidade de São Paulo recebeu na última terça-feira (2) mais de 1 milhão de doses do imunizante que serão distribuídas para as 470 Unidades Básicas de Saúde (UBSs); 
  • A vacina bivalente é produzida pela Pfizer; 
  • Vale explicar que a Secretaria da Saúde estadual autorizou que os municípios definam o cronograma de acordo com a disponibilidade de doses. Ou seja, a vacinação em cada cidade depende da decisão dos gestores locais, geralmente baseada em estoque e organização. 

Leia mais! 

A vacina bivalente oferece imunização extra tanto para a cepa original da Covid quanto para a variante Ômicron, que se tornou a mais prevalente desde 2022. Importante pontuar que a bivalente não desvalida os imunizantes monovalentes. 

Tanto as vacinas bivalentes quanto as monovalentes, da primeira distribuição, agem do mesmo modo no organismo, estimulando o sistema imunológico a produzir anticorpos protetores e células de defesa contra o vírus Sars-CoV-2.  

publicidade

A imunização com a bivalente da Pfizer se destina especialmente a maiores de 18 anos que: 

  • Não completaram o esquema básico de vacinação; 
  • Que receberam uma ou duas doses de reforço. 

Lembrando que deve haver intervalo de quatro meses entre uma dose e outra. Do contrário, o munícipe deverá aguardar completar o período para receber a bivalente. 

Também podem receber a vacina bivalente:

  • Maiores de 12 anos com imunossupressão ou com comorbidades;
  • Indígenas; 
  • Gestantes e puérperas; 
  • Profissionais da saúde; 
  • Pessoas com deficiência física permanente; 
  • População privada de liberdade e funcionários do sistema prisional; 
  • População em situação de rua. 

Covid-19 não é mais emergência de saúde global 

Na sexta-feira (5), a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que a Covid-19 não é mais uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII). O alerta, implementado há três anos, é o mais alto nível de vigilância da organização, mas sua alteração não retira o título de pandemia. Entenda mais aqui

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!