Um novo estudo que modelou a geologia abaixo da superfície de Nova York, nos EUA, em comparação com dados de satélite revelou que a cidade está afundando. A pesquisa foi publicada este mês na revista Earth’s Future e aponta o que está levando a essa situação.

Tecnicamente chamado de subsidência, esse assentamento gradual ou afundamento repentino da superfície da Terra ocorre quando sedimentos macios se deslocam ou cargas que sobrecarregam o solo o empurram para baixo. As causas são muitas, mas o peso das próprias cidades raramente é estudado.

publicidade

Nova York está afundando a uma taxa de 1 a 2 milímetros por ano, segundo o estudo, sob o peso de seus imensos edifícios, também chamados de arranha-céus. Isso pode não parecer muito, mas algumas partes da cidade estão diminuindo muito mais rápido, em paridade com as taxas mais rápidas observadas em que as placas tectônicas se recuperam quando as geleiras derretem.

O peso dos arranha-céus está deformando o solo de Nova York, que abriga mais de 8,4 milhões de pessoas. Créditos: Marek Masik – Shutterstock

Essa deformação pode significar problemas para a cidade baixa que abriga mais de 8,4 milhões de pessoas. Dessa forma, as descobertas devem encorajar mais esforços para desenvolver estratégias de mitigação para combater o crescente risco de inundações e o aumento do nível do mar.

“O objetivo do artigo é aumentar a conscientização de que cada arranha-céu adicional construído em ambientes costeiros, fluviais ou à beira do lago pode contribuir para o risco futuro de inundações”, diz o geólogo Tom Parsons, do Serviço Geológico dos EUA, que assina o artigo junto a pesquisadores da Universidade de Rhode Island.

Como foi feito o estudo que analisou a subsidência em Nova York

Uma pesquisa publicada em 2020 na revista Nature estima que todas construções e criações humanas estão perto de ou já superaram o peso seco de cada ser vivo na Terra. Edifícios e estradas pesam mais do que todas as árvores e arbustos juntos, e os plásticos representam o dobro do peso dos animais.

Neste novo estudo, Parsons e sua equipe calcularam a massa acumulada dos mais de um milhão de edifícios de Nova York, que é de 764 bilhões de kg. Em seguida, eles escalonaram a cidade em uma grade de 100 por 100 metros quadrados e converteram essa massa em pressão descendente, considerando a força da gravidade.

A) Trecho do banco de dados de esboço de base da construção da cidade de Nova York mostrando partes de Manhattan, Queens e Brooklyn. B) O perfil combinado da carga dos edifícios distribuído em células de 100 m por 100 m é apresentado sobreposto ao modelo utilizado para calcular a subsidência. Créditos: Tom Parsons, Pei-Chin Wu, Meng (Matt) Wei e Steven D’Hondt

Suas estimativas incluem apenas a massa de edifícios e seu conteúdo, não as estradas, calçadas, pontes, ferrovias e outras áreas pavimentadas. Mesmo com essas limitações, esses novos cálculos refinam observações passadas de subsidência na cidade, levando em conta a complexa geologia de superfície sob Nova York, que consiste em depósitos de areia, silte e argila de lagos e afloramentos rochosos.

Leia mais:

Ao modelar o comportamento desses substratos, os pesquisadores detectaram que solos ricos em argila e enchimento artificial são particularmente propensos à subsidência: o valor médio é o comprimento de uma régua (294 milímetros) em um local de amostra na parte baixa de Manhattan. Solos mais elásticos se recuperam após a construção, enquanto o leito rochoso, ancorando muitos arranha-céus, não se move tanto.

Comparando esses modelos com dados de satélite que medem a altura da superfície terrestre, a equipe mapeou as estimativas de subsidência em toda a cidade. “O aumento da urbanização, incluindo a drenagem e bombeamento de águas subterrâneas, só pode aumentar o problema de subsidência de Nova York”, alerta o estudo.

Outras cidades do mundo também estão afundando

Essa não é a única cidade no mundo que está afundando. Cerca de 25% da capital da Indonésia, Jacarta, pode estar debaixo d’água até 2050, com partes da cidade afundando quase 11 centímetros por ano devido à extração de água subterrânea. 

Cerca de 25% da cidade de Jacarta, capital da Indonésia, pode estar debaixo d’água até 2050. Créditos: Akhmad Dody Firmansyah – Shutterstock

Nova York, em comparação, ocupa o terceiro lugar em sua exposição a futuras inundações. Grande fração da parte baixa de Manhattan fica a menos de dois metros acima do nível atual do mar. Os furacões de 2012 (Sandy) e 2021 (Ida) também mostraram a rapidez com que a cidade, em sua maioria pavimentada, pode ser inundada pela água.

Um estudo de 2022 com 99 cidades costeiras ao redor do mundo descobriu que a subsidência pode realmente representar um problema maior em comparação com o aumento do nível do mar. Na maioria das localidades pesquisadas, a terra está baixando mais rápido do que o nível do mar, o que significa que os moradores serão desafiados pelas inundações mais cedo do que os modelos climáticos projetavam.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!